Salomão é o ícone bíblico dos que entendem que prosperidade e riqueza são necessariamente sinônimas de bênção divina. O que não se leva em conta é que, em sendo assim, no caso do filho de Davi com Bateseba, essa bênção custou muito caro ao povo israelita, obrigado a pagar impostos extorsivos para custear o esbanjamento da corte. Custou muito também aos estrangeiros explorados como escravos por Israel. Mão de obra barata é sempre uma grande tentação para quem, ao contrário do que profetiza Gênesis 3.19, ganha a vida com o suor do rosto alheio. Mais ainda: pela desastrada política levada a termo por Roboão, representou a própria derrocada do Reino Unido. Isso sem falar na política externa salomônica, muito pouco compatível com a propalada sabedoria homônima. Manter 700 mulheres e 300 concubinas, muitas delas princesas de reinos com quem Salomão mantinha alianças econômicas e militares, não é para qualquer um. No final, em nome dessas alianças, ele acabou tendo que prestar culto aos deuses dessas nações.

As Assembleias de Deus nos Estados Unidos celebram seu 100º aniversário no início de agosto de 2014. Para marcar a passagem do centenário, entre muitas outros eventos, estarão reunindo lideranças evangélicas de mais de uma centena de países para refletirem em congresso sobre um trabalho mundial mais intenso de plantação de igrejas. A denominação aniversariante começou em Hot Springs, Arkansas, com cerca de 300 pessoas, em 1914. Atualmente, a Assembleia de Deus é a maior denominação pentecostal do mundo, com 67.500.000 membros.

Em resposta à declaração oficial do governo brasileiro de que Israel está usando de força desproporcional – uma regra do futebol inventada pelos comentaristas de arbitragem - no conflito com o Hamas, a chancelaria israelense, através do porta-voz Yigal Palmor, disse que o Brasil, "um gigante cultural e econômico", é um "anão diplomático". O Ministério do Exterior israelense não apenas respondia à nota oficial, mas ao fato de o Brasil ter chamado "para consultas" seu embaixador em Tel Aviv. Não se sabe até que ponto isso vai afetar de modo negativo as frequentes caravanas de evangélicos brasileiros à Terra Santa, mas o fato é que Brasil e Israel vivem uma crise diplomática real cujos desdobramentos não se pode prever.

No exercício de seu ofício - rima burocrática que ele abominaria-. o escritor é um solitário. Como grande escritor que era, João Ubaldo Ribeiro não escapou à regra. Dizer isso é repisar o óbvio, este inimigo mortal dos grandes criadores, que buscam revelar um óbvio ainda mais óbvio por trás daquilo de que se pensa que seja o que chamam por aí de realidade. Parece que estou tentando imitar o estilo de João Ubaldo, mas o fato é que a solidão é a melhor companheira do criador. Deus é testemunha. Não me encontrei com João Ubaldo em vida. Fui vê-lo morto, não eu – quem sabe? – mas ele, no salão não sei como é que chamam da Academia Brasileira de Letras. Na entrada, junto ao portão principal, a imprensa, em sua letargia de quem cobre um evento como outro qualquer. Informei-me com o porteiro sobre o lugar onde estava o escritor falecido, entrei e vi João Ubaldo Ribeiro em sua solidão afinal reconhecida pela ordem natural das coisas.

A esta altura da minha vida, depois de trabalhar durante 60 anos e de ter saúde e forças para continuar trabalhando no mínimo por mais 60, como espero, consegui chegar ao status de membro da classe média. Sempre imaginei que jamais conseguiria conquistar este troféu da ascensão social sem apelar para coisas que não fossem o esforço pessoal, o trabalho honesto e a obediência à lei e à ética. Não vou entrar em detalhes sobre os dados concretos do que, no meu caso, significa ter chegado a esse Everest social sem apelar para o alpinismo sinônimo. O teor do próprio texto deixará isso claro. Vou argumentar em cima de dois fatos reais que em certo momento me fizeram duvidar sobre se subi ou desci na escala social.

O Rio de Janeiro foi a cidade brasileira que mais recebeu grandes eventos nos últimos anos. Começando com os Jogos Mundiais Militares em 2011 (antes disto, recebendo os Jogos Pan-Americanos de 2007), refletindo sobre meio ambiente com o mundo e a ONU na Rio+20 em 2012, peregrinando com a visita do Papa Francisco ao Brasil e a Jornada Mundial da Juventude em 2013, festejando a Copa das Confederações da Fifa no mesmo ano, e sofrendo com a Seleção canarinho e sendo uma das sedes da Copa do Mundo em 2014, inclusive com o jogo final (sem o time brasileiro) no Maracanã. Pois bem, neste momento a cidade se volta para as Olimpíadas de 2016. Faltando cerca de 750 dias para o início dos Jogos, e após a nota 9,25 para a Copa do Mundo (dada pelo presidente da Fifa, Joseph Blatter), os organizadores do evento olímpico voltam suas atenções para os preparativos e obras ainda por terminar.

Qualquer pessoa, no exercício de seu ofício, precisa estar preparado para comunicar-se com facilidade através da palavra escrita, uma das mais eficazes ferramentas de comunicação, senão a mais eficaz delas. Também nos concursos, inclusive no vestibular e Enem - Exame Nacional do Ensino Médio, o estudante deve dominar o básico de técnicas de redação pois esta é parte fundamental de sua avaliação.

A questão etária está diretamente relacionada com o nível da dor com a perda de entes queridos. Quanto mais jovem uma pessoa morre, mais sofrem aqueles de seu relacionamento. Em outras palavras, pais não foram feitos para enterrar os filhos; estes sim, os filhos, sabem que um dia vão enterrar seus pais.

Conversava numa roda de colegas (todas, meninas) e o assunto era o prazer: que nos motiva, ou bloqueia, o que excita os homens e, se existe alguma coisa que os faça desanimar do sexo. Uma disse que o marido ficava animadíssimo, mesmo com febre, ou em noites de filho doente. Outra, que ela mesma, quando muito aflita, sente a necessidade de aliviar a tensão e busca o parceiro. Alguém disse que precisa de "céu de brigadeiro", outra que sabia de alguém que se sente culpada se o filho está no cômodo ao lado. E assim foi. Facilitadores, dificultadores e impeditivos. Terrenos da vida, estradas, caminhos.

O hotel Windsor Guanabara, no Centro do Rio de Janeiro, foi palco, dia 9 de junho, de um simpósio promovido pela Associação Brasileira de Mídias Evangélicas (ABME), cujo palestrante foi o jornalista Jorge Antonio Barros, do jornal O Globo. Compareceram mais de uma centena de integrantes de órgãos da imprensa evangélica, de todo o país, e personalidades profissionais, políticas e eclesiásticas ligadas às igrejas evangélicas.

A quem conhece minimamente a realidade habitacional da população pobre do Rio, não surpreende a pesquisa recente que registra a disposição maciça dos moradores de favelas em continuar residindo nelas, repelindo uma mudança que em alguns aspectos poderia até mesmo ser tida como vantajosa para eles. Antes de entrar no mérito da questão, é sempre necessário e justo reconhecer que favela é a solução que, nascida ou não na cidade, uma expressiva parcela de seus habitantes encontrou por si mesma para o problema da moradia. Não cumprindo o preceito constitucional de garantir na prática o direito de todos à habitação digna, o estado não deixa opção aos prejudicados. Na economia informal funciona o mesmo princípio.

Em 5 perguntas para o Diretor de Comunicação e Ação Social da Sociedade Bíblica do Brasil (SBB), Reverendo Erni Seibert, busca-se oferecer ao leitor um resumo do que foram estes 66 anos, recentemente completados, de história e experiências da maior instituição brasileira de produção e divulgação de Bíblias. Erni atua na SBB há quase 16 anos. Ele também é pastor luterano, professor de Teologia Sistemática e coordenador de comunicação no Brasil da United Bible Societies. Entre suas especializações, além de comunicação, liderança, gestão e marketing.

Todos os anos celebra-se o Dia do Meio Ambiente, em 5 de junho, para reforçar a lembrança de que o que fazemos contra a natureza e os ecossistemas afeta diretamente a vida de todos os seres humanos. Mas para evitar, ou, pelo menos, amenizar, as consequências destes graves problemas, tais como a falta de recursos hídricos, os desastres ambientais resultantes do efeito estufa, do aquecimento global e das mudanças climáticas, a poluição do ar e dos oceanos, enfim, a destruição da natureza, é preciso continuar agindo, todos os dias do ano, com intensidade e perseverança, e passando esta mesma motivação e este mesmo objetivo para um número cada vez maior de pessoas e organizações.

Eventos da magnitude do carnaval tornam obrigatórias medidas preventivas que minimizem os riscos para a população em geral. Como o espaço urbano onde acontece aquela que é considerada por muitos a maior festa popular do mundo, a cidade do Rio de Janeiro recebe neste período um fluxo de visitantes maior do que o habitual, oriundos de outros estados brasileiros e de todas as partes do mundo. Milhares de pessoas, por outro lado, deixam a cidade nos dias que antecedem o início oficial das festividades. Além dos desfiles das agremiações de samba, que mobilizam milhares de participantes e espectadores, os blocos de rua assumiram nos últimos anos uma dimensão que seria mesmo de se esperar, considerando as características de segmentos expressivos do povo carioca.

Se alguém pensa que uma simples canetada, apoiada em pesquisas de opinião pública, noticiário tendencioso, apoio de artistas e mídia, especialmente novelas, pode mudar o conceito de família natural, equivoca-se. Transformar esse tipo de concepção da vida, conforme criada por Deus, é bem mais complicado do que se pensa. E não é apenas uma questão religiosa ou de interpretação bíblica, é também questão de bom senso. Agora, vale destacar a importância de uma maior participação de todos os cristãos para comunicar aos defensores de mudanças da família no Brasil e no mundo que estamos prontos a defender nossos pontos de vista.

Confirmando o fato de ser o país que mais persegue cristãos, segundo os últimos relatórios anuais da ONG Portas Abertas, a Coreia do Norte prendeu um missionário australiano de 75 anos sob a acusação de ter distribuído folhetos evangelísticos. A informação foi publicada no jornal Adelaide Advertiser, daquele país. O nome do religioso perseguido pelo serviço de segurança pública de Pyongyang, a capital norte-coreana, é John Short. A prisão aconteceu num domingo, no início da segunda quinzena de fevereiro.

Um monumento aos Dez Mandamentos da Bíblia está posicionado, desde 2012, próximo ao prédio do governo estadual em Oklahoma, EUA. Agora, lemos no noticiário os planos divulgados por um grupo satanista a respeito. Eles querem espaço equivalente para divulgação de suas ideias através de outra estátua em lugar próximo à estátua judaico-cristã.

Alguns líderes mundiais que conquistaram vitórias épicas, realizaram sonhos impossíveis e executaram projetos complexos têm muito a ensinar. Independentemente de críticas históricas que a eles se faça, de ideologias políticas, fé religiosa ou convicções morais, homens e mulheres assim costumam manter rotinas exemplares, motivação quase constante, vitalidade e energia admiráveis, apenas para dizer uma parte do que com eles podemos aprender, nós, pobre mortais. Evidentemente, não são perfeitos. São pessoas que cometem erros e acertos. Tanto erros que permanecem, quanto erros dos quais se arrependem e tentam corrigir. Acertos que permanecem, e acertos que com o tempo se cristalizam em novos erros. Mas o saldo de suas vidas demonstra que devemos prestar atenção ao que dizem e fazem habitualmente, para dali tirar inspiração, alertas, confirmações e correções de rumo para nossas vidas, sonhos, projetos.

Veja a seguir uma coletânea de tristes notícias a respeito de presídios, presos, funcionários do Sistema Penitenciário e familiares de ambos, em unidades de vários estados brasileiros. As notícias são suficientes para relembrar-nos da necessidade de orar pelas pessoas envolvidas nestes contextos e pela mudança de mentes e estruturas que proporcionam tão nefastas situações. Clique, leia, informe-se, ore e, quando em posição de poder agir, faça isso!

1) Vou usar a palavra "mercado" (para expressar minha decisão de focar como prioritário o objetivo do lucro pelo lucro) ou vou evitá-la para demonstrar que busco, como motivação principal, realizar uma atividade auto-sustentável, para a empresa e para minha família, mas priorizando influenciar pessoas com bons textos e boas ilustrações com uma visão cristã da vida e do mundo?