passaporte para fluencia em ingles banner

ONG move ação civil contra tortura na Febem de São Paulo

Pela primeira vez no histórico da Justiça paulista, foi protocolada uma ação civil indenizatória contra o governo do estado por tortura a um interno na Fundação Estadual do Bem-Estar do Menor (Febem-SP). A ação é movida pela Conectas, organização não-governamental de defesa dos direitos humanos, que avalia em dez a 20 anos o prazo para trâmite do julgamento. A ação foi protocolada dia 22/11 no Fórum da Fazenda Publica do estado e, segundo o advogado da Conectas, Humberto Negrão, pede indenizações no valor de 1.500 salários mínimos por danos morais e físicos causados ao interno Flávio Ricardo Freitas de Jesus. Ele teria sido agredido no dia 9 de março deste ano, na Unidade 23 do Complexo do Tatuapé. “Sobre casos de tortura na Febem-SP já houve funcionários condenados criminalmente e administrativamente. Mas civilmente, isso nunca aconteceu. E nós, que trabalhamos com crianças, não temos notícia de nenhuma outra ação desse tipo. A importância de mover a ação no âmbito civil é que ela procura responsabilizar o estado pelo dano que causou. No âmbito criminal, responsabiliza-se o agente. O que se procura é buscar o caráter pedagógico”, explicou Negrão. Para ele, a reparação indenizatória também é importante, mas é secundária tanto para a entidade quanto para a família. Negrão informou que o trâmite médio de avaliação da ação no Fórum da Fazenda Pública é de dois anos. Se julgada procedente, a ação é então enviada para o Tribunal de Justiça, onde o trâmite é de cerca de quatro anos. E em seguida poderá ser encaminhada ao Superior Tribunal de Justiça. Segundo a assessoria de imprensa da Febem-SP, o caso foi encaminhado pela própria direção da fundação à sua Corregedoria, que abriu sindicância interna para apurar os fatos e ainda não concluiu os trabalhos. Fonte: Agência Brasil - Paulo Montoia