passaporte para fluencia em ingles banner

Relatório afirma que número de abortos caiu em todo o mundo

Relatório do Instituto Guttmacher, divulgado em Londres, na Inglaterra, em 13 de outubro último conclui que, graças à difusão do uso de anticoncepcionais, à melhora dos programas de planejamento familiar e ao relaxamento das leis, o número de abortos no mundo caiu 9% entre 1995 e 2003. Sob o título "O Aborto no Mundo: Uma Década de Progresso Desigual", o relatório indica que essa tendência positiva foi detectada tanto nos países desenvolvidos quanto naqueles em vias de desenvolvimento, exceto na África, onde continua um assunto pendente. O relatório foi publicado em todos os veículos de notícia do mundo. Mas há uma controvérsia. Curiosamente, o doutor Alan Frank Guttmacher (falecido em 1974), médico ginecologista e obstetra que dá nome à instituição - fez parte de um grupo de cientistas envolvidos com o estudo do Eugenismo (melhoramento genético), chegando a galgar a posição de vice-presidente na American Eugenics Society. Guttmacher foi ainda presidente da Planned Parenthood Federation of America, uma rede mundial de clínicas especializadas, justamente, em aborto. Há quem diga que, por esses dados biográficos, a instituição que leva seu nome pode manipular relatórios com interesse comercial. Tais informações devem ser conhecidas para auxiliar você a avaliar os dados do relatório (aqui, na íntegra, em inglês - PDF: 1,5MB). Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), a saúde reprodutiva precária se mantém como a principal causa pelas mortes de mulheres. Mais de meio milhão morrem devido a complicações durante a gravidez ou no parto todos os anos. Pelo menos 200 milhões de mulheres em todo mundo, ainda segundo a OMS, não tem acesso a planejamento familiar, ou informações contraceptivas e serviços, contribuindo para mais de 40 milhões de gestações que são interrompidas todos os anos, metade dessas de forma insegura. Anualmente, complicações devido a aborto inseguro resultam em aproximadamente 67 mil mortes. Há 36 anos, as clínicas de aborto são legalizadas em todos os 50 estados americanos, por ordem da Suprema Corte (por Marcelo Dutra).

Atualizada: Domingo, 20 Julho 2014 01:06