banner aprenda ingles 728 x 90

Igrejas são identificadas como novo canal de distribuição de livros, diz pesquisa

Qual o frequentador de igrejas que nunca passou numa banca de livros em espaço religioso para ver as novidades? O fato é que há muitos anos esse fenômeno da venda de livros em igrejas acontece, e muitos líderes cristãos sempre usaram esta facilitação como uma forma de incentivar a leitura de conteúdos religiosos para seus liderados. Mas, agora, uma pesquisa científica quantificou este "novo" canal de comercialização: Em 2008, as igrejas venderam mais de 3 milhões de exemplares, 1,43% do mercado como um todo. A pesquisa “Produção e Vendas do Mercado Editorial Brasileiro 2008”, divulgada nesta quarta-feira (12/8), no Rio de Janeiro, também evidenciou o crescimento geral do segmento de livros religiosos. O estudo, elaborado pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas da Universidade de São Paulo (Fipe/USP), por solicitação da Câmara Brasileira do Livro e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros, traz, entre outras, as seguintes informações: - Religiosos foi o subsegmento que mais cresceu em exemplares produzidos (21,8%). - Religiosos foi o subsegmento que mais cresceu em faturamento (13,54%) e em número de exemplares (15,75%). Isso significa R$ 321,2 milhões nas vendas de 50,2 milhões de exemplares, com preço médio de R$ 6,39 por exemplar. - Em faturamento, o maior crescimento ocorreu no subsegmento Religiosos, com incremento de 18,42% sobre 2007, chegando a R$ 323,4 milhões em 2008. Veja a seguir os aspectos gerais da Pesquisa: O preço dos livros caiu: O preço médio constante do livro (todos os gêneros), por unidade vendida, variou de R$ 8,58 em 2004 para R$ 8 em 2008. Se levarmos em consideração que a inflação acumulada no período 2004/2008 foi de 14% (IPCA) ou de 21% (IGP-M), a queda do preço do produto editorial fica ainda mais evidente. A produção total caiu em 3,17%. Foram 340,2 milhões de exemplares produzidos em 2008 contra 351,4 milhões em 2007. A tiragem média dos novos títulos cresceu 10,96% e foi de 6.785 exemplares em 2008 (em 2007, foram 6.115). A tiragem média de obras reeditadas caiu para 6.655 (2008) exemplares, contra 8.944 em 2007. A redução foi de 25,6%. O Mercado cresceu 6,56% em faturamento e 5,64% em exemplares vendidos, totalizando R$ 2,43 Bi pelas vendas de 211,5 milhões de exemplares. Faturamento Total: O faturamento total cresceu 9,71%, ao mesmo tempo em que o volume de exemplares vendidos cresceu apenas 1,24%. O Mercado continua sendo responsável pela maior fatia do bolo, embora tenha reduzido sua participação de 76% (2007) para 74% (2008). Ao Governo coube o maior incremento no faturamento (19,61%) e a maior redução em número de exemplares adquiridos (-5,6%). Traduções: O número de títulos editados e exemplares traduzidos para o português cresceu 18,61%, enquanto o volume de exemplares teve incremento de 24,89%. Foram 3.981 títulos e 20,69 Milhões de exemplares. O maior incremento vem do idioma Francês (42,96%), certamente em virtude das comemorações do ano da França no Brasil. Mas as publicações de idioma Inglês continuam sendo responsáveis pela maior fatia no bolo de obras traduzidas: 60% dos títulos e 52,89% dos exemplares vendidos. Temas que se destacaram em crescimento de títulos: Literatura Juvenil (41,91%); Artes, lazer e desportos (31,98%); Ciências Sociais (31,69%); Tecnologia e Ciências Aplicadas (21,39%).