banner aprenda ingles 728 x 90

Dois campos missionários em destaque

Afeganistão e Coreia do Norte freqüentaram o noticiário internacional no primeiro fim de semana de abril, coincidindo com a passagem do Domingo de Ramos, e o início da chamada semana santa. O primeiro, porque foi o tema principal da cúpula da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) e alvo da decisão da entidade de enviar mais 5 mil soldados para o país. Já a Coreia do Norte, ficou na berlinda por causa do lançamento de um míssil de longo-alcance que invadiu o espaço aéreo japonês, aparentemente contrariando resolução da ONU. As notícias e comentários sobre os dois países e suas questões militares devem servir de lembrete para cristãos conscientes buscarem mais informação e estarem atentos ao que acontece no mundo, avaliando, inclusive de um ponto de vista da estratégia missionária, as transformações das relações entre os países e orando pelas pessoas que vivem nesses lugares. E como os fatos acontecem próximo ao chamado Domingo de Ramos, vale lembrar os textos bíblicos que relatam a entrada de Jesus em Jerusalém para a Páscoa, quando ele se aproxima da cidade, pelo Monte das Oliveiras, e lamenta o distanciamento daquele povo da verdadeira Paz. O discípulo de Jesus deve igualmente se importar com todas as cidades que sofrem a falta da verdadeira Paz, especialmente aquelas que vivenciam no seu cotidiano a presença militar ostensiva e o uso da força pelos vários interesses em conflito. Para os que querem se aprofundar no conhecimento para missões e oração, a Otan divulgou um detalhado e atualizado relatório sobre o Afeganistão. O “Afghanistan Report 2009” oferece uma visão ampla sobre o país e sobre o que os militares estrangeiros fazem lá. Números das tropas, objetivos, informações sobre o povo, questões de segurança, a política (especialmente as eleições de agosto de 2009) e a economia local. A assessoria de imprensa da aliança militar divulgou também o diálogo do seu secretário-geral, Jaap de Hoop Scheffer, com alguns jovens no Fórum de Juventude que debateu o tema “OTAN em 2020: O que vem por aí?” Num dos trechos, Scheffer, que lidera a OTAN até o final de julho, respondendo a um estudante egípcio que mora na Alemanha, manifestou o respeito da entidade aos assuntos internos e aspectos culturais e religiosos, mas ressaltando que devemos lembrar que vivemos "sob o mesmo teto dos valores universais". “A grande maioria das operações da Otan é no mundo islâmico. O interessante é que uma organização que é fortemente enraizada na tradição judaico-cristã está cada vez mais inserida num contexto islâmico. A lição que tiro disso é, em primeiro lugar, que temos que respeitar cultura, religião e história. Se não fizermos isso, falharemos. Mas outra parte essencial desta discussão é quando falamos que estamos defendendo valores universais”, disse Scheffer. Outra informação sobre Otan e religião é que a eleição de um novo secretário está num impasse porque, apesar da maioria dos chefes de Estado da Europa apoiar o primeiro-ministro dinamarquês, Anders Fogh Rasmussen, a Turquia é contra a indicação. Eles alegam que Rasmussen errou quando se posicionou a respeito da publicação em 2005 das caricaturas do profeta Maomé em um jornal dinamarquês. “Muitos muçulmanos ficaram irados quando Rasmussen se recusou a censurar o jornal e defendeu a liberdade de expressão". Coreia do Norte Ocupando a primeira posição na Classificação de países por perseguição, apurado pela missão Portas Abertas, os atuais momentos de tensão por que passa a Coreia do Norte repercutem na vida da igreja naquele país. Segundo a Portas Abertas, “os líderes de igreja norte-coreanos começaram uma campanha de oração. A sociedade está extremamente instável e os cristãos veem isso como uma oportunidade de desenvolver e reforçar a Igreja. Eles estão mais unidos, mesmo que a situação tenha piorado. Os cristãos de lá pedem atenção especial de seus irmãos ocidentais, e oração por causa da situação difícil”. Leia (em inglês) o relatório da Otan sobre o Afeganistão. Saiba mais sobre a perseguição aos cristãos na Coreia do Norte, através do site da Portas Abertas.