banner aprenda ingles 728 x 90

Cidades encolhem, periferias aumentam, diz conferencista

No segundo dia da 8ª Conferência das Cidades, organizada pela Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados, a professora na Universidade de São Paulo (USP) Ermínia Maricato apontou um progressivo esvaziamento de todas as grandes cidades brasileiras.

Segundo Ermínia, ex-secretária de Habitação da prefeitura de São Paulo na gestão de Luiza Erundina (1989-1992), esse processo decorre da valorização dos imóveis mais centrais, que pressiona os habitantes dos grandes centros urbanos a se deslocarem para áreas cada vez mais periféricas, onde a ocupação do solo é irregular. Essa migração, segundo ela, tem forte impacto ambiental e revela uma "total insustentabilidade do crescimento urbano". Ermínia disse também que, no Brasil, "pobre não tem direito a propriedade formal", mas sua situação está piorando, porque enfrenta agora a competição da classe média por moradias irregulares.

O resultado é que a massa de pessoas está cada vez mais distante do centro das cidades - lugar, segundo a professora, "mais adequado ao adensamento urbano", em razão de melhor infra-estrutura. "A ilegalidade começa a se tornar mais regra que exceção", diagnosticou. O ex-prefeito de Curitiba e atual secretário do Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente do Distrito Federal, Cassio Taniguchi, criticou o projeto da área central do Plano Piloto (centro de Brasília), que não possui nenhuma unidade residencial.

"Posso estar cometendo um sacrilégio, mas a cidade é das pessoas", disse. Ele lembra que o ocupação urbana do Plano Piloto é planejada - o que não ocorre nas cidades-satélites, onde o processo é "completamente desordenado". Segundo Taniguchi, que é deputado federal licenciado, o Plano Piloto concentra 70% dos empregos, mas cerca de 80% da população reside nas cidades-satélites. Ele avalia que seria necessário estruturar uma rede de transporte público para facilitar o acesso de populações periféricas à área central.

Para Ermínia Maricato, o problema do crescimento desordenado das cidades não será resolvido com a edição de leis, até porque, segundo ela, o Brasil tem uma legislação urbanística das mais avançadas do mundo. "A aplicação da lei é que deixa muito a desejar", avaliou. Fonte: Agência Câmara

Atualizada: Quarta, 26 Novembro 2014 08:59