passaporte para fluencia em ingles banner

Saúde instala rede de rádios para atenção aos indígenas

Para facilitar o atendimento aos índios, a Secretaria Especial de Saúde Indígena (Sesai) comprou 80 rádios para formar uma rede de comunicação entre Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) de Porto Velho (RO), as aldeias e os pólos-base.

De acordo com a chefe do DSEI de Porto Velho, Lindalva Coutinho de Queiroz, a medida agilizará o atendimento nas aldeias quando, por exemplo, um índio precisa de um atendimento de emergência, ou quando acontece um imprevisto, como um carro que atola . “A medida reforça a importância dos rádios na comunicação, para nos ajudar na logística desses atendimentos em que o tempo é fundamental”, destacou.

Os equipamentos adquiridos são programados para operar exclusivamente em frequência HF, a mesma usada nas ondas de rádio para radiodifusão, como também para comunicações com aviões, embarcações, serviços militares, etc. Devido à característica do comprimento de onda, as transmissões podem se propagar até grandes distâncias. A comunicação por rádio é a única forma de diálogo disponível em muitas localidades, onde não há sinal de celular, nem linhas fixas.

Do total de rádios, 55 funcionam com placas solares e serão utilizadas em aldeias sem energia elétrica. Anteriormente, a comunicação era feita somente pessoalmente, em alguns casos, poderia levar dias. Os investimentos na compra e instalação dos 80 equipamentos totalizam R$ 466 mil.

Para o secretário Especial de Saúde Indígena, Antônio Alves de Souza, a ação é estratégica na reestruturação do subsistema de atenção a saúde indígena, facilitando o trabalho dos profissionais de saúde. “Se colocarmos uma equipe de saúde para atuar, sem uma estrutura de comunicação, ela já começa deficiente. Por isso a importância de ações como a compra desses rádios”.

O DSEI Porto Velho atende uma população indígena de 10.079 habitantes. Quarenta e duas aldeias do distrito têm acesso somente por via fluvial. O deslocamento para essas comunidades dura, em média, 10 horas. Na primeira fase de instalação, foram entregues recentemente 25 equipamentos (o que usam energia elétrica) para os pólos-base de Ji-Paraná (RO), Alta Floresta (MT), Humaitá (AM), Guajará Mirim (RO) e Porto Velho (RO).

Fonte: Ministério da Saúde

Atualizada: Sábado, 30 Agosto 2014 11:02