pregacoes evangelicas passo a passo

Antes, cuida da tua casa e de ti mesmo

Dois textos da pré-reflexão para o IV Encontro de Líderes no Sertão, evento cristão que acontece na cidade de Itaporanga, na Paraíba, de 19 a 22 de outubro, podem servir também como edificação para lideranças de outras partes do país. Num deles, o pastor André Luiz Ferreira, da paraibana São João do Rio Peixe, fala sobre o tema: “Ouvindo o clamor do mundo e esquecendo o clamor da alma”. No outro, Karla Muniz Barreto Oton fala sobre a importância do cuidar: “Amar ao próximo como a si mesmo é cuidar de si, é deixar-se ser cuidado, é dar acesso ao Espírito de Deus e ao próximo para tocar em feridas ainda não cicatrizadas”. “Ouvindo o clamor do mundo e esquecendo o clamor da alma” André Luiz Ferreira Estamos diante de um grande desafio: “O clamor do Mundo” conforme relata muito bem Oswald Smith, em seu sensacional livro. Como pastor-missionário, como igreja brasileira, como crentes no Senhor Jesus devemos nos preocupar com aqueles que estão longe de Cristo Jesus. E muitas vezes no anseio de alcançarmos o perdido esquecemos o “clamor da alma e o clamor da família”. Estou há 6 anos no sertão paraibano, uma região carente do evangelho de Cristo, e acabei vivendo uma tensão entre ouvir o clamor do sertanejo, o clamor da alma e o clamor da família. Ouvi tanto o clamor do sertanejo que me esqueci de cuidar de mim, de cuidar da família, comecei a ter uma visão míope e paternalista do clamor do mundo. E quando se começa a ter uma visão míope e paternalista do clamor do mundo nos tornamos pessoas amargas, isoladas, impacientes de esperar o tempo de Deus, mocas (surdas), não dando ouvidos àqueles que estão de “fora” (líderes amados – ainda bem que tenho, amigos e familiares) e suscetíveis à ação do maligno. E foi isto que aconteceu comigo. Apesar de amar a Deus, à Sua Obra e me dedicar totalmente a Ele, comecei a dar brechas para o inimigo de nossas almas e esquecendo o clamor da alma e de cuidar de mim mesmo. E graças à misericórdia e ao amor do Senhor, conforme Efésios 2:4 – “Mas Deus, sendo rico em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou”, Ele abriu os meus olhos espirituais para realmente ver o clamor do mundo e também o clamor da minha alma e da minha família. Não estou dizendo que devemos cruzar os braços diante do clamor do mundo, mas não podemos esquecer de nós mesmos e de nossos familiares, pois o diabo pode usar o seu amor à Obra de Deus para destruí-lo. Então algo que é primordial e necessário na vida do pastor, missionário, líder é cuidar de si mesmo, para depois cuidar do clamor do mundo; é ter um relacionamento profundo com Deus de oração e jejum, é ter tempo de refrigério da alma, é ter tempo de curtir e cuidar da família, é ter tempo para ouvir a voz de Deus. Itaporanga, pedra-bonita em tupi-guarani, tem sido um lugar de refrigério e cura de líderes. Lá foi o meu “Vale de Jaboque”. Deus tem usado os pastores Pedro e Sueli, neste processo e não poderia haver lugar melhor e merecido para a realização do IV Encontro de Pastores e Líderes no Sertão - “Antes, cuida de ti mesmo e de tua casa”. Portanto, gostaria de convidar você a estar lá conosco, pois creio que você passará por um “exame oftálmico espiritual” e poderá enxergar melhor o “clamor do mundo”, cuidando de ti mesmo e de tua casa. No amor do Eterno, Pr. André Luiz Ferreira, de São João do Rio Peixe, PB. O significado do cuidar Karla Muniz Barreto Oton Falar sobre o cuidar é, sobretudo, fazer uma reflexão do lugar onde se mora, onde se constrói as relações mais íntimas e complexas do ser, onde se recebe os primeiros cuidados - a família. A família é ainda o lugar onde se constrói identidades, estruturas emocionais, vínculos eternos. É onde é possível tocar, preocupar-se e envolver-se afetivamente, um compromisso emocional que acarreta responsabilidade prazerosa, espontânea e plena. Quem foi cuidado nesses termos geralmente cuidará de outros, dando continuidade nesse processo consigo mesmo em sua caminhada. A palavra cuidado, segundo os clássicos de filologia, deriva do latim cura, que se escrevia coera e era usada em condições de amor e de amizade. Expressava, portanto, uma atitude de cuidado, preocupação e de inquietação pela pessoa amada ou objeto de estimação. Esse cuidado existe apenas quando se atribui valor e importância. É o aconchego da alma, o mimo que se precisa para olhar para si e para o outro com ternura. Cuidar é um princípio que deve nortear a vida, que marca pessoas, que traz esperança. Rollo May, falando acerca do cuidado, disse que somente ele nos permitiria resistir ao cinismo e à apatia que nos cercam hoje. Estamos vivenciando situações onde é “cada um por si e Deus por todos”... Na família, cada um possui sua TV, seu PC, sua denominação; na igreja, os relacionamentos se limitam ao momento do culto; no trabalho, se mantém uma postura individualista, devido à competição; em todos os setores a sociedade vive uma superficialidade assustadora que desumaniza e embrutece as relações. Se olharmos para os ensinamentos do Senhor Jesus, podemos perceber que Seu cuidado foi muito além, excedeu a si próprio, à sua família e aos seus discípulos. Estendeu-se àqueles que eram desprezados, aos enfermos, aos excluídos, para aqueles que não tinham ninguém a ouvir seus gemidos, ou alguém para estender a mão e colocá-los em um tanque para serem curados. Muitas vezes, seus discípulos, apesar de andarem com Ele, eram ainda indiferentes e insensíveis às necessidades do próximo, e repreenderam pessoas como aquele homem que gritava: “Jesus, filho de Davi, tem misericórdia de mim”. Eles não compreendiam que a misericórdia (cuidado) do Mestre excedia aos preconceitos, tabus, legalismos, superficialidades, descaso e até mesmo a lei. Leonardo Boff, enfatizando que Jesus fez da misericórdia a sua ética. Madre Teresa, ao deixar o convento para cuidar dos mais pobres, disse: “Dá Cristo ao mundo, não o mantenhas para si e ao fazê-lo, usa tuas mãos”, “a mão que toca cura porque leva amor, carinho, afeto, devolve a confiança, oferece acolhida e manifesta cuidado, renascendo a humanidade perdida”. Amar ao próximo como a si mesmo é cuidar de si, é deixar-se ser cuidado, é dar acesso ao Espírito de Deus e ao próximo para tocar em feridas ainda não cicatrizadas, tais como debilidades, pecados, tendências, medos, segredos. Nesse exercício de humildade, as traves do nosso olho já tão insensível começam a ser retiradas, para só então nos vermos e vivermos em plenitude, e assim retirar o argueiro daqueles que nos cercam, cuidando com-paixão para que vejam plenamente o Mestre do Amor. Lembramos-nos ainda que Jesus veio para os doentes, portanto somente estes serão por Ele cuidados para assim cuidarem plenamente da sua casa.

Missões Urbanas

Assine agora! Boletim especial gratuito Soma Missões Urbanas!

banner missoes urbanas evangelismo 728x90