pregacoes evangelicas passo a passo

É preciso "democratizar" a Palavra, diz professor

Há cerca de 500 anos o teólogo alemão Martinho Lutero, o pai da reforma protestante, já dizia que a Igreja Cristã tem a obrigação moral de “democratizar” a Palavra, ou seja: torná-la acessível a todos, não importando raça ou classe social. Após cinco séculos a missão ainda não foi concluída de acordo com alguns pensadores evangélicos. “A Igreja e outras entidades cristãs tem o dever social de viabilizar o acesso da população aos valores defendidos na Palavra de Deus... e que se referem à educação integral”, diz o advogado evangélico Antonio Carlos da Rosa Silva Junior especialista em Direito e Religião e em Direito e Relações Familiares. Para o professor, o conteúdo da Palavra tem que ser difundido, uma vez que ela é a única apta a conduzir a uma educação integral que: valorize a família, a escolha do caminho do bem, e não do mal, e a companhia dos sábios. É ela também que, segundo a opinião do pensador, provê uma educação que expressa misericórdia e que ensina a amar a Deus e ao próximo e a obediência aos pais: “O próprio Cristo proferiu um maravilhoso ensinamento no monte, como era seu costume. Contudo, todas essas extraordinárias lições podem ficar "apenas no papel" se, efetivamente, não as aplicarmos. Que o Senhor Deus nos ajude a não sermos apenas leitores, mas praticantes da Sua Palavra”.

O processo educacional, explica Antonio Carlos, abrange dois níveis que se complementam, o formal e o informal. “A educação formal corresponde à orientação escolar, e, nesse ponto, ao Estado cabe o fornecimento de uma Escola Pública de qualidade, estimulando os alunos a aplicar, em seus cotidianos, os conhecimentos apreendidos nas salas de aula, e, aos pais, promover a matrícula dos filhos na escola e fiscalizar, de perto, o que lhes está sendo ministrado”, diz o professor. Já a educação informal, por sua vez, continua Antonio Carlos em sua tese, está vinculada à formação moral, cultural, espiritual, de caráter e personalidade, na qual se adquire “os princípios que nortearão o futuro, como a dignidade pessoal, a honestidade, a correção da conduta, o respeito pelo semelhante, a responsabilidade profissional, dentre outras virtudes... Daí, a importância dos pais neste processo: “As crianças aprendem com os adultos, em geral dentro de casa, as maneiras de reagir à vida e como viver em sociedade. Aprendem as noções de direito e de respeito, de auto-estima, de ética, de moral, de disciplina, de justiça, o lidar com as frustrações e todas as formas de se portar diante da vida. No mais, como disse Liborni Siqueira, até os seis anos de idade é que construímos os principais valores que nos acompanham durante toda a vida”.

Última atualização: Terça, 28 Dezembro 2010 22:52