Internação de adolescentes em conflito com a lei cresceu 28% nos últimos quatro anos

O Levantamento Nacional do Atendimento Socioeducativo ao Adolescente em Conflito com a Lei, apresentado recentemente pela Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República (SEDH), mostra que o número de internações de adolescentes em unidades de privação de liberdade cresceu 28% entre 2002 e 2006, passando de 9.555 para 15.426 internos. Como resultado, continua a superlotação dos 366 estabelecimentos existentes com um défict, no país todo, de 3.396 vagas. Os dados, levantados na primeira quinzena de agosto do ano passado, invertem a lógica do Estatuto da Criança e do Adolescente. O ECA prevê prioridade para as medidas em meio aberto – como liberdade assistida e prestação de serviços à comunidade – e dispõe que a internação deve ser a última alternativa para lidar com o adolescente em conflito com a lei. Se essa regra fosse cumprida, ao invés de crescer, a quantidade de internações deveria ser reduzida gradualmente. Especialistas apontam diversas razões para este aumento, desde a suposta periculosidade dos jovens que cometem infrações – que levaria os juízes a preferirem a internação – até a má qualidade das ações desenvolvidas em meio aberto. O fato é que o Brasil hoje gasta muito mais em privação de liberdade, e os governantes deverão reverter esse quadro para cumprir o Sinase – Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo, o novo plano de diretrizes para a política nacional de atendimento aos adolescentes em conflito com a lei. O documento, apresentado no ano passado, prevê a primazia das medidas em meio aberto. Estudos desmentem o argumento de que os jovens estão mais perigosos, o que poderia elevar o número de internações. Em São Paulo, estado com o maior número de adolescentes privados de liberdade (6.059, ou 39,2%), dados da Secretaria de Segurança Pública revelam que a participação de menores de 18 anos em crimes graves no ano de 2003 não alcançou 1% das ocorrências. De 9.150 casos de homicídios dolosos naquela época, 89 envolveram adolescentes (0,97%). Quem trabalha diretamente na área dos jovens em conflito com a lei explica que, em delitos nos quais a vítima é ameaçada, mas não sofre nenhum tipo de violência, o juiz deve analisar o caso e, se possível, dar preferência às medidas de meio aberto. “Esse tipo de regime tem maior potencial ressocializador para o adolescente que não tem antecedentes. Interná-lo pode criar um estigma, um perfil criminal que irá estimular sua progressão na criminalidade”, diz Karyna Sposato, coordenadora do Instituto das Nações Unidas para a Prevenção do Delito e Tratamento do Delinqüente (Ilanud). Mas, segundo a especialista, o que acontece hoje é uma “automatização” do Judiciário. “A grande maioria dos roubos é feita com armas de fogo, o que pode justificar a internação. O critério é dado pelo juiz. Mas muitas vezes essa decisão é automática, como se na lei isso fosse obrigatório. Às vezes, por causa do roubo de um objeto insignificante, interna-se o adolescente”, critica. A juíza Laila Shukair, presidente da Associação Brasileira dos Magistrados e Promotores da Infância (ABMP), contradiz a teoria de que os juízes preferem a privação de liberdade. “Não é culpa do Judiciário. Se o município não tiver um programa de liberdade assistida ou prestação de serviço à comunidade, o juiz não pode encaminhar o menino. Se o programa existe, mas é ineficaz, antes é preciso melhorá-lo”, diz. Laila salienta que muitos municípios do interior não dispõem de ações em meio aberto e não raro a qualidade das iniciativas existentes é baixa. Segundo a magistrada, a liberdade assistida, por exemplo, está longe de significar apenas matricular o garoto na escola. É preciso uma equipe de profissionais qualificados (assistentes sociais, psicólogos) que irão acompanhá-lo e inseri-lo em atividades de acordo com seu perfil, inclusive profissionalizantes. “A medida em meio aberto de qualidade envolve a família, a comunidade e deve contar com uma avaliação do adolescente em todas as áreas: educação, saúde, profissionalização etc”, finaliza. Pelo Estatuto da Criança e do Adolescente, é competência das prefeituras executar medidas em meio aberto, com o apoio financeiro e técnico dos governos estaduais. Mas não existe um mapeamento nacional dessas ações, o que poderia fornecer um quadro dos municípios que ainda não desenvolvem esse tipo de regime e avaliar a qualidade daqueles que prestam serviços dessa natureza. Um estudo nesse sentido está sendo desenvolvido pela SEDH em parceria com o Ilanud e deve ficar pronto ainda neste semestre. Fonte: ANDI - Agência de Notícias dos Direitos da Infância

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.