Casamento não mata o amor romântico

Oscar Wilde dizia que "uma pessoa deve estar sempre apaixonada". E que "esta é a razão para nunca casar". Pesquisadores da Associação Americana de Psicologia demonstraram que ele pode ter errado. Um estudo publicado este mês de março pela revista da entidade respondeu cientificamente à pergunta: Um relacionamento de longo tempo (como o casamento até o fim da vida) faz o amor romântico esfriar? A resposta dos pesquisadores Bianca P. Acevedo e Arthur Aron foi negativa e esperançosa. A posição da tradição cristã de apoio à instituição do casamento "para sempre" sai fortalecida. O artigo examina justamente a possibilidade de que o amor romântico ("com intensidade, engajamento e interesse sexual") possa permanecer em relacionamentos longos. Uma análise das teorias e dados sugere que sim: "sem o componente da obsessão, típico do primeiro estágio do amor, o amor romântico pode durar em casamentos de longos períodos, e está associado com satisfação conjugal, bem-estar, e elevada auto-estima". Enquanto isso, a cultura ocidental contemporânea vincula o casamento com o amor romântico. Se este acabar, acaba a união. E afirma que o tempo esfria o amor e o transforma numa espécie de amor de amigos, de companheiros. "Será isso inevitável?", perguntam os pesquisadores, que argumentam contrariamente também aos que chegam a afirmar que amor romântico em relacionamentos de longo termo pode atrapalhar a vida de obrigações familiares, profissionais e sociais. O debate toca também na análise de relatórios da mídia, que também influenciam posições negativas quanto ao casamento, com descrições de altas taxas de divórcio, infidelidade, violência doméstica etc. A conclusão dos pesquisadores é que, "ao contrário do que é largamente aceito", o amor romântico pode durar uma vida e esta durabilidade está relacionada com o aumento da qualidade de vida das pessoas, satisfação marital, saúde mental, e, acima de tudo, sensação de bem-estar. Eles sugerem uma dramática revisão de algumas teorias e atenção especial com a diferença entre amor romântico duradouro e obsessão. Uma das implicações da possibilidade do amor romântico de longo termo é a mudança do paradigna e das expectativas daquilo que casais e terapeutas devem buscar. Tal perspectiva, segundo os autores do estudo, pode dar aos casais a inspiração otimista de que necessitam, desafiando-os a fazer "mudanças que aumentarão a qualidade de seu relacionamento" e bem-estar pessoal. "Será que Oscar Wilde estava errado?", perguntam conclusivamente os pesquisadores. A revista de Psicologia Geral da Associação, que publicou o estudo, procura divulgar teorias inovadoras e artigos metodológicos e conceituais que atravessam e incluem as tradicionais subdisciplinas da Psicologia. Leia aqui (em inglês) a íntegra do artigo "Does a Long-Term Relationship Kill Romantic Love?" publicado pela revista "Review of General Psychology".

Atualizada: Domingo, 20 Julho 2014 01:14

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.