Tese defende moradia como princípio-chave da dignidade humana

Os números do déficit habitacional no país continuam alarmantes. Segundo instituições de pesquisa, faltam aproximadamente 5 milhões de moradias no Brasil. E, mesmo entre as pessoas que têm um teto, cerca de 8 milhões moram em locais considerados inadequados, carentes e sem a infra-estrutura.

Tese de Marcos Ferreira Guedes da Costa, mestre em Direito Civil pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, e professor da Academia de Polícia do Estado, afirma que "a moradia irradia uma série de outros direitos humanos, como o direito a higienização, direito à água potável, alimentação, práticas religiosas e educação, inclusive a informal, que adquirimos através da convivência com a família e pessoas do bairro".

Para o professor, o dever do Estado de promover a moradia não se resume a lotear espaços nas periferias, mas realizar uma inserção social que inclui a formação de um mercado de trabalho local. "Por outro lado”, ele acrescenta, “a moradia não é só responsabilidade do governo, mas de toda a sociedade, somando os empresários e a população ao poder público".

O estudioso completa seus argumentos, afirmando que a participação de todos os cidadãos é importante para colocar em andamento qualquer reforma urbana, além de promover a cidadania, já que “as pessoas passam a participar da cidade, trabalhando juntas para que todos tenham emprego, hospitais e toda a infra-estrutura necessária para se ter uma vida digna.

Uma idéia que tem se mostrado muito eficiente são os mutirões, promovidos tanto nas áreas urbanas como nas rurais, para incentivar a contribuição dos próprios moradores na construção de suas moradias".

Atualizada: Quarta, 26 Novembro 2014 09:06

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.