Projeto incentiva leitura em penitenciárias paulistas

A Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP) está realizando uma ação nas penitenciárias paulistas que pode servir de referência para os capelães cristãos que atuam em presídios de todo o Brasil. Denominado de Projeto Leitura Ativa, a iniciativa consiste na realização de ciclos de leitura, como uma ferramenta de reintegração social dos presos. O objetivo da atividade é proporcionar aos sentenciados os benefícios decorrentes do acesso à leitura. “Além do aumento de vocabulário, a leitura eleva o nível de conhecimento e senso crítico. Também são esperados efeitos terapêuticos, sobretudo quando se trata de população sob regime de privação de liberdade”, explica a professora Evanda Paulino Verri, coordenadora acadêmica da Faculdade de Biblioteconomia e Ciência da Informação (FaBCI) da FESPSP e orientadora do projeto.

Os idealizadores do Leitura Ativa, Durvalino Nascimento Peco, estudante de biblioteconomia, e Wagner Paulo da Silva, bibliotecário, também falam do poder transformador dos livros na vida dos sentenciados. “Nos exemplos e nas situações descritas e vivenciadas pelos personagens literários, eles podem encontrar modelos e exemplos de condutas e ações construtivas a serem espelhadas ou copiadas, na busca de uma vida com melhores expectativas”, explica Durvalino.

 

Do ponto de vista metodológico, o projeto procura despertar o gosto pela leitura a partir do incentivo à reflexão e discussão do conteúdo dos textos, de modo que os participantes apresentem suas idéias e opiniões, com liberdade para criá-las, recriá-las e transmiti-las, associando-as a sua realidade ou a uma realidade que desejam alcançar. Com dezenas de ciclos de leitura, encontros com autores e saraus literários desenvolvidos em 5 diferentes penitenciárias paulistanas, o projeto segue no seu intuito de levar inclusão, reflexão e cidadania aos presídios.

 

Como resultado, o acervo dos centros prisionais que em média registravam 20 empréstimos de livros por mês, passaram a ter mais de 150 requisições mensais. "O aumento do interesse é visível. A participação dos reeducandos é espontânea e está ocorrendo um aumento da sociabilidade, do gosto pelos livros, da concentração nos estudos e da participação em outras atividades desenvolvidas dentro dos centros prisionais", informa Durvalino. O projeto Leitura Ativa segue com suas atividades amparado por fundos da FESPSP.

 

Para implantar suas novas propostas e continuar o trabalho, o projeto necessita do auxílio da iniciativa privada e do poder público. “Queremos chamar a atenção da sociedade para mostrar que o problema da insegurança não se resolve apenas com repressão. É preciso lançar mão de processos educacionais. Nosso foco não está voltado para o acervo em si, mas dirigido para pessoas que fazem uso dela”, finaliza Wagner.

 

A população carcerária brasileira gira em torno de 250 mil internos, só o estado de São Paulo mantém quase 100 mil detentos. Mas, lamentavelmente, para a maior parte das pessoas, inclusive nas igrejas, a questão prisional só vira assunto de interesse quando há rebeliões ou ações de terrorismo, como as praticadas por facções organizadas.

Atualizada: Domingo, 07 Novembro 2010 16:54

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.