Religioso alerta para situação de desesperança dos índios guaranis

Em discurso e entrevistas no Parlamento Sueco, dia 6, o ganhador do Prêmio “Right Livelihood Award” (uma espécie de “Nobel alternativo”), o bispo católico Erwin Kräutler denunciou a situação de “dor, desespero e insegurança” em que vivem os índios guaranis e protestou contra a construção da Usina de Belo Monte, a terceira empresa hidroelétrica do mundo e uma ameaça ao ecossistema da região.

Sobre os guaranis, Kräutler, que é o presidente do Conselho Indigenista Missionário (CIMI), explicou que os indígenas estão "confinados" em pequenas áreas, onde os jovens "não enxergam nenhum futuro" e onde o índice de suicídios é "alarmantemente alto". E ainda afirmou: o atual governo brasileiro está "ignorando" esse "genocídio cruel" que está ocorrendo.

Nesta linha, observou que os povos indígenas sabem que não sobreviverão se a Amazônia seguir sendo "violada e arrasada". O principal problema da Amazônia tem a ver com a propriedade e o uso da terra, e a violência rural está vinculada à concentração da propiedade da terra e a "vergonhosa impunidade".

Atualizada: Sábado, 30 Agosto 2014 11:05

Pin It

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.