Releia o compromisso de Lausanne III: confissão de fé e chamado à ação

O Compromisso da Cidade do Cabo é um abrangente documento de referência geral que resume as conclusões do terceiro congresso Lausanne sobre evangelização mundial, que aconteceu na Cidade do Cabo, na África do Sul (de 16 a 25 de outubro de 2010, com a presença de 4.200 líderes evangélicos de 198 nações). É impossível captar o espírito de Lausanne III, em um resumo de três páginas, assim este resumo deve ser interpretado em conjunto com a íntegra do documento original (por enquanto, disponível apenas em inglês). Leia a seguir o resumo.

O Compromisso de Lausanne III é embasado na convicção de que “na missão cristã, devemos responder às realidades de nossa geração". A missão da Igreja deve levar a sério tanto a natureza imutável da Palavra de Deus quanto as transformações da realidade do nosso mundo. O documento reflete a convocação de Lausanne para a Igreja inteira levar o evangelho integral ao mundo inteiro; é moldado pela linguagem do amor - amor pelo o evangelho integral, a Igreja inteira, e o mundo todo. O compromisso tem duas partes: uma confissão de fé e um chamado à ação. 

PARTE I - Pelo Senhor que nós amamos: A Confissão de Fé

As frases de abertura estabelecem a base: “A missão de Deus flui do amor de Deus. A missão do povo de Deus flui do nosso amor a Deus e a todos que Deus ama”.

Os cinco primeiros pontos tratam do nosso amor por Deus mesmo. Nós amamos o Deus vivo, acima de tudo e de todos e com paixão pela sua glória. Nós amamos o Deus trino: Pai, Filho e Espírito Santo. No que diz respeito ao Pai, o Compromisso pede uma renovada valorização da paternidade divina. Em relação ao Filho, destaca o nosso dever de confiar, obedecer e proclamar Cristo. Do Espírito, ele diz: "O nosso engajamento na missão é inútil e infrutífero, sem a presença, orientação e poder do Espírito Santo. (...) Não há evangelho verdadeiro ou integral, e nenhuma missão bíblica autêntica, sem a Pessoa, a obra e o poder do Espírito Santo”.

Os últimos cinco pontos abordam nosso amor pela Palavra, o mundo, o evangelho, as pessoas e missões de Deus.

(a) Reafirmamos nossa submissão à Bíblia como a revelação final de Deus, e afirmamos o nosso amor pela pessoa que a Palavra revela, pela história que ela conta, pela verdade que ensina, e pela vida que ela requer (embora admitindo que muitas vezes confessamos amar a Bíblia sem amar o tipo de vida que ela ensina, uma vida de discipulado prático que custa caro).

(b) Nós amamos o mundo de Deus, tudo o que ele fez e ama. Isso inclui cuidar da criação, amar todos os povos e valorizar a diversidade étnica, esperando ver o evangelho embutido em todas as culturas, amando os pobres e sofredores do mundo, e amando o nosso próximo como amamos a nós mesmos. Isso não significa amar ou ser como “o mundo” (isto é, o mundanismo).

(c) Nós amamos o evangelho - a história que ele conta, a garantia que ele dá, e a transformação que produz.

(d) Nós amamos todo o povo de Deus, reconhecendo que tal amor convoca à unidade, à honestidade e à solidariedade.

(e) Nós amamos a missão de Deus. “Estamos comprometidos com a missão mundial, porque isto é central para o nosso entendimento de Deus, da Bíblia, da Igreja, da história humana e os últimos tempos... A Igreja existe para adorar e glorificar a Deus por toda a eternidade e para participar na missão transformadora de Deus na história. Nossa missão é inteiramente derivada da missão de Deus, tem como alvo toda a criação de Deus, e tem em seu núcleo a vitória redentora da cruz. “Nós somos chamados para a missão integral, que é a proclamação e demonstração do evangelho”.

PARTE II - Pelo mundo a quem servimos: O Chamado à Ação

O Chamado à Ação se baseia nos seis temas do Congresso, ligados às seis exposições da carta de Paulo aos Efésios.

A. O testemunho da verdade de Cristo em um mundo plural e globalizado. O Congresso afirmou a crença em verdade absoluta, e particularmente em Jesus Cristo como a Verdade. Os cristãos, portanto, são chamados a ser pessoas da verdade, para viver e proclamar a verdade. Temos de enfrentar a ameaça do pluralismo relativista pós-moderno com robusta apologética. Devemos promover a verdade no local de trabalho e nos meios de comunicação globais. Devemos aproveitar as artes na missão, promover respostas autenticamente cristãs para as novas tecnologias, e engajar-nos ativamente nas arenas públicas governamentais, empresariais e acadêmicas com a verdade bíblica.

B. A construção da paz de Cristo em nosso mundo partido. Cristo reconciliou aqueles que crêem com Deus e uns com os outros; a unidade do povo de Deus é um fato e um mandamento. A Igreja, portanto, tem a responsabilidade de demonstrar sua reconciliação e se engajar na tarefa bíblica de ser pacificadora em nome de Cristo. Isso inclui levar a verdade e a paz de Cristo para confrontar o racismo, os conflitos da diversidade étnica, a escravidão e o tráfico de seres humanos, a pobreza e a situação de grupos minoritários, como as pessoas com necessidades especiais. Significa, também, que a nossa vocação missionária inclui uma administração responsável da criação de Deus e dos seus recursos.

C. A prática do amor de Cristo em meio às pessoas de outras religiões. Entre nossos “próximos”, estão incluídas pessoas de outras religiões. Temos de aprender a vê-los como próximos e sermos próximos para eles. Buscamos compartilhar a boa notícia através de um evangelismo ético, e rejeitamos o proselitismo indigno. Aceitamos que a nossa comissão inclui o dever de estar disposto a sofrer e morrer por Cristo para alcançar as pessoas de outros credos. Somos chamados a materializar e recomendar o evangelho da graça através de ação de amor, em todas as culturas. Temos de respeitar “a diversidade no discipulado”, e encorajar uns aos outros para exercitar o discernimento cultural. Reconhecemos a diáspora global como estratégica para a evangelização: os povos dispersos podem ser tanto os destinatários quanto os agentes da missão de Cristo. Apesar de estarmos dispostos a sacrificar os nossos próprios direitos pela causa de Cristo, nós nos comprometemos a respeitar e a defender os direitos humanos dos outros, incluindo o direito à liberdade religiosa.

D. Discernimento da vontade de Cristo sobre a evangelização mundial. Seis áreas-chave são identificadas como de importância estratégica para a próxima década: (a) grupos não alcançados e os excluídos; (b) povos de cultura oral; (c) líderes centrados em Cristo; (d) cidades; (e) crianças; todos com (f) oração. O foco em líderes cristãos é para priorizar o discipulado e atingir os problemas decorrentes de “gerações de evangelismo reducionista”. Com isto, as principais prioridades são a tradução da Bíblia, a preparação de Bíblias de histórias orais e outras metodologias orais, bem como a erradicação do analfabetismo bíblico na Igreja. Nas cidades, estão quatro grupos estratégicos: os futuros líderes, migrantes não alcançados, formadores de opinião e da cultura, e os que vivem em extrema pobreza. Todas as crianças estão em risco; as crianças representam tanto um campo missionário como uma força missionária.

E. O chamado à Igreja de Cristo para o retorno à humildade, integridade e simplicidade. A integridade de nossa missão no mundo depende de nossa própria integridade. O Congresso chamou os seguidores de Cristo de volta ao humilde e sacrificial discipulado, à vida simples e à integridade moral. Precisamos ser separados e diferentes do mundo (moralmente). Quatro “idolatrias” foram apontadas: sexualidade desordenada, poder, sucesso e ganância. Discípulos de Cristo devem rejeitar essas coisas. (O evangelho da prosperidade é rejeitado no tópico da “ganância”.)

F. Parceria no corpo de Cristo pela unidade na missão. Paulo nos ensina que a unidade dos cristãos é uma criação de Deus, com base em nossa reconciliação com Deus e uns com os outros. Lamentamos a divisão das nossas igrejas e organizações, porque uma Igreja dividida não tem mensagem para um mundo dividido. Nossa incapacidade de viver em unidade e reconciliação é um dos principais obstáculos à autenticidade e eficácia na missão. Nós nos comprometemos a uma parceria global na missão. Nenhum grupo étnico, nação ou continente pode reivindicar o exclusivo privilégio de ser aquele que completou a Grande Comissão. Dois aspectos específicos da questão da unidade na missão dizem respeito à parceria de mulheres e homens e ao reconhecimento da natureza missionária da educação teológica.

Este resumo foi selecionado e preparado pelo seminarista sul-africano Kevin Smith, em inglês (tradução para o Português da Agência Soma).

Trata-se de um documento de síntese, escrito com a própria linguagem do Compromisso da Cidade do Cabo original, razão pela qual as aspas não são utilizadas para cada frase retirada do documento. Apenas citações mais longas e frases-chave são marcadas por aspas. Este documento serve como um sumário do Compromisso. Para ler o documento na íntegra, acesse a página do Congresso (com as duas partes, mas em inglês) ou baixe, no lugar apropriado ao anexo nesta página de matéria, uma versão em português da primeira parte, a Confissão de Fé.

* Resumo selecionado e preparado pelo seminarista sul-africano Kevin Smith, com tradução para o português de Lenildo Medeiros.

Atualizada: Segunda, 05 Dezembro 2016 11:44

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.