Com livro e prêmios de direitos humanos, menina responde a talibãs do Paquistão: "Sou Malala"

Ela levou um tiro a queima-roupa de um grupo talibã quando voltava para casa após a aula, num ônibus escolar, e pensava na prova que teria no dia seguinte. O veículo foi parado numa estrada do Paquistão e alguém perguntou: "Quem é Malala?" Não teve tempo de responder, por causa do tiro que a atingiu na cabeça. Um ano depois de sofrer tamanha violência, Malala Yousafzai responde sem medo, continua a sonhar e mantém a esperança. Não é à toa que ganhou o apelido de "a garota mais corajosa do mundo".

Depois de meses no hospital, na Inglaterra, onde reside atualmente, a corajosa menina está lançando, no mês de outubro de 2013, um livro, "Eu sou Malala", como forma de resposta àquela pergunta do religioso radical talibã que a odiava simplesmente por querer estudar como qualquer outra pessoa.

A história é fascinante e está só começando. De uma adolescente de 16 anos, com aparência frágil, rosto dócil e voz suave, mas que enfrentou os mais cruéis homens de seu país, membros de uma milícia radical talibã violenta que a acusavam de, pasmem, defender que todas as crianças, meninos e meninas, pudessem ir à escola.

malala-dobro-w3Ela continua recebendo ameaças de morte. Seus algozes também a acusam, injustamente, de ter abandonado a religião muçulmana e trabalhar contra o Islã. Mas toda a vulnerabilidade daquela menina, e de sua família simples, segue dando uma resposta pacífica contra a agressividade cruel de radicais insanos. Um exemplo de vida e de força!

Veja uma amostra do livro de Malala.

Malala ganhou também este mês de outubro o renomado Prêmio Sakharov da Liberdade de Consciência e Pensamento, do Parlamento Europeu. Para se ter uma ideia da importãncia do feito, Nelson Mandela, o líder vencedor da luta contra o Apartheid na África do Sul, foi um dos premiados anteriores. O comunicado explica a escolha de Malala: "O Parlamento Europeu saúda a força incrível desta jovem mulher. Malala defendeu com coragem o direito de todos os jovens à educação, pois cerca de 250 milhões de meninas no mundo não podem ir livremente à escola".

Num documentário da BBC no início de outubro, a menina foi elogiada por uma das médicas que cuidou dela na Inglaterra por nunca ter demonstrado amargura ou tristeza durante o tratamento. Malala chegou a ser indicada ao Prêmio Nobel da Paz deste ano, que acabou sendo anunciado para uma organização que combate armas químicas no mundo (em 11/10). A menina disse à CNN, também em outubro, que pretende entrar na política e "chegar, algum dia, a ser primeira-ministra do Paquistão"

Ouça entrevista recente com Malala em podcast da rede britânica de TV BBC - outubro de 2013.

Assista a trechos da entrevista à rede de TV BBC. Ou: a íntegra do documentário da BBC.

Outros trechos da entrevista à BBC e relato (em inglês) dos bastidores do encontro da jornalista com Malala.

Trechos em vídeo e relato da entrevista à CNN, também de outubro de 2013.

Atualizada: Quarta, 18 Abril 2018 11:14

Pin It

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.