Câncer: Estudo aponta sugestões para melhorar a chamada “qualidade da morte”

 

Amenizar o sofrimento de pacientes com câncer em estágio avançado e também os que estão no fim da vida é o objetivo dos Cuidados Paliativos, uma prática em desenvolvimento também no Brasil e que será debatida no Simpósio Expansão dos Cuidados Paliativos no Brasil, nos dias 16 e 17 de novembro, no Rio. O crescente envelhecimento da população, demonstrado pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) de 2009, aliado a um ranking sobre a qualidade de morte, realizado na Grã-Bretanha, que colocou o Brasil em antepenúltimo lugar nesse quesito, chamam a atenção para a importância do tema. Entre os 40 países avaliados, o país ocupou a 38ª posição. A Grã-Bretanha ficou em primeiro lugar, seguida da Austrália e Nova Zelândia.

Anualmente, mais de 100 milhões de pacientes e familiares precisam de tratamentos paliativos, mas apenas 8% desse total têm acesso a eles, de acordo com pesquisa encomendada pela Aliança Mundial de Cuidado Paliativo. O estudo aponta sugestões para melhorar a chamada “qualidade da morte”, como aperfeiçoar a listagem de medicamentos analgésicos, para o controle da dor, um ponto relevante no tratamento paliativo, além da disponibilidade de opiáceos (como morfina e equivalentes). Esse tipo de cuidado reduz gastos em saúde associados a internações hospitalares e tratamentos de emergência.

 

Com o envelhecimento da população, constatado na PNAD em 2009, confirma-se a tendência demográfica, que começou na década de 1970, de desaceleração no ritmo de crescimento populacional e de envelhecimento da população brasileira. O número de idosos passou de 1,7 milhão para 21,5 milhões, entre 1940 e 2009, no Brasil, e estima-se aumento nas próximas décadas.

 

Para alavancar uma melhor posição do Brasil nos Cuidados Paliativos, a médica Claudia Naylor, diretora da Unidade de Cuidados Paliativos do Instituto Nacional de Câncer (INCA), que promove o Simpósio Expansão dos Cuidados Paliativos no Brasil, em conjunto com a Fundação do Câncer e com o suporte do International Network for Cancer Treatment and Research (INCTR), destaca a importância de identificar prioridades nessa área da saúde. “É fundamental, por exemplo, a criação de grupo de trabalho em Cuidados Paliativos em nosso país. As realidades de cada região são diferentes e causam impacto nesse nível da atenção oncológica”, argumenta.

 

Humanização

Inaugurada em 1998, a unidade de Cuidados Paliativos do INCA, o Hospital do Câncer IV, em Vila Isabel, no Rio, é responsável pelo atendimento integral aos pacientes da entidade em estágio avançado da doença. A unidade trabalha com equipes multiprofissionais, dentro das normas de humanização do atendimento, realizando consultas ambulatoriais, visitas domiciliares, internação hospitalar e serviço de pronto atendimento para melhorar a qualidade de vida dos pacientes e de seus familiares.

 

Com o objetivo de facilitar a permanência do paciente em casa, o hospital disponibiliza ainda material para atendimento domiciliar e medicamentos para controle dos sintomas, que contribuem para o bem-estar do doente. O HC IV dispõe de quatro andares de enfermarias, com 56 leitos, e atende, em média, 1000 pacientes por mês.

 

Serviço

Evento: Expansão dos Cuidados Paliativos no Brasil

Local: Hotel Novo Mundo, Rio de Janeiro

Data: 16 e 17 de novembro, das 8h30 às 17h

 

Fonte e texto: INCA – Instituto Nacional do Câncer

 

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.