Museu da Criação, recentemente inaugurado nos EUA, causa polêmica

Baseado no slogan “Prepare-se para crer”, o Museu da Criação, inaugurado nos Estados Unidos, dia 28/5, teve sua solenidade de abertura cercada de muita polêmica e publicidade. O museu, que oferece aos visitantes a possibilidade de uma caminhada através da história do mundo a partir de uma perspectiva bíblica, foi notícia em todos os principais jornais americanos, teve casa cheia já no primeiro dia (quase 4 mil pessoas) e enfrentou protestos daqueles que defendem as evidências científicas de que a Terra foi criada bilhões de anos antes da interpretação tradicional do Gênesis, que afirma que a criação aconteceu há 6 mil anos.

O movimento contrário acusa o museu de promover o engano e aconteceu em frente ao prédio, em Petersburgo, no estado de Kentucky, no momento da inauguração. Na exposição, 5.500 metros quadrados de muita tecnologia, cor e efeitos especiais de cinema levam o visitante, por exemplo, a um passeio por um Jardim do Éden rico em detalhes e pela Arca de Noé, ainda sendo martelada por homens robóticos. Os idealizadores do museu levantaram 27 milhões de dólares, com a ajuda de doações de cristãos de todo o país, para atingir a meta de traduzir as páginas da Bíblia e transformá-la numa experiência sensorial para a vida.

A descrição do conteúdo da exposição no museu, feita pela instituição em sua página na internet, menciona “mais de 50 animais exóticos” e dinossauros que se movimentam eletronicamente. As imagens de divulgação do site oficial privilegiam estes elementos. Segundo os fundadores, há também cenários realísticos e pessoas em tamanho real. O ingresso para adultos é US$19, 95. Crianças de 5 a 12 anos: US$14,95. Menores de 5 anos não pagam. A reportagem dos jornais americanos entrevistou um físico e escritor acadêmico, opositor do projeto, que decidiu ver a exposição logo no primeiro dia. Lawrence Krauss disse: “É realmente impressionante. E realmente dá a impressão de que eles estão falando de ciência em algum ponto. Numa escala de 1 a 5, com 5 sendo a melhor nota, eu daria ao museu um 4 para a tecnologia e 5 para a propaganda. Já para o conteúdo, eu daria menos 5, o máximo negativo”.

Na matéria do jornal USA Today, traduzida pelo portal UOL, uma descrição interessante da polêmica: “Alguns visitantes disseram que o museu – um cruzamento de museu de história natural com parque temático bíblico – reforçou suas noções de que as teorias da evolução e do Big Bang – que o universo foi criado em uma explosão gigante – estão erradas, apesar do consenso científico contrário. “Se você quiser acreditar que veio de animais, isso cabe a você. Mas é mentira”, disse Paul Aduba, de Toledo, Ohio. Fora dos portões do museu, mais de 100 manifestantes, inclusive cientistas e grupos humanistas, brandiam cartazes que diziam: “Ciência, não superstição” e “Não faça lavagem cerebral em nossos filhos”. Um grupo alugou um avião que atravessava o estacionamento com uma faixa que dizia: “Não mentirás”.” Segundo os jornais, o museu é ligado ao trabalho de “um grupo religioso conservador, Answers in Genesis, parte do movimento criacionista “Terra jovem”.”

Atualizada: Domingo, 20 Novembro 2011 11:20

Pin It

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.