Seminário em Porto Alegre discute importância da família na vida de crianças e adolescentes

A convivência familiar e comunitária de criança e adolescente está sendo o foco das discussões do seminário “Criança: cadê a família?”, em Porto Alegre, RS. O evento, que começou ontem, tem continuidade hoje e é o sexto realizado no país pelo Grupo de Trabalho (GT) Pró Convivência Familiar e Comunitária, fruto de parceria da Associação Brasileira Terra dos Homens (ABTH) com os escritórios regionais do Unicef e apoio de outros parceiros. Os encontros do grupo, formado por entidades do governo e da sociedade civil de seis estados (BA, MA, PA, PE, RJ e SP) e gerido pela ABTH, são sempre antecedidos por um seminário aberto para profissionais que atuam na área da infância e adolescência. Criado em novembro de 2005, o GT se reúne, periodicamente, para debater modalidades alternativas à institucionalização de crianças e adolescentes, como a prevenção, o afastamento, a reintegração e o acolhimento familiar. "A família é a idéia central do seminário. Ver apenas a criança que está na rua, sem contudo entender o que se passa em seu núcleo familiar, é um equívoco que vem sendo historicamente repetido", diz Cláudia Cabral, diretora-executiva da ABTH. Para mostrar que a colocação em medida de abrigo e o conseqüente afastamento da família de origem nem sempre é a melhor atitude a ser tomada, o seminário apresenta modalidades alternativas à institucionalização de crianças e adolescentes e o papel da família neste contexto. Claudia Cabral explica que “incentivar a implementação de políticas públicas nesta linha de atendimento significa aprofundar o acompanhamento psicossocial à família de origem, em casos em que não haja a necessidade de afastamento da criança do convívio familiar”. Para ela, a experiência da ABTH mostra que é possível, sim, reverter casos considerados perdidos e reintegrar crianças abrigadas e em situação de rua em suas famílias de origem. Os municípios de Campinas (novembro 2005), Belém, Recife, São Luís e Salvador (abril, maio, junho e setembro de 2006, respectivamente) já sediaram reuniões do GT. Este encontro na capital gaúcha finaliza a etapa de trabalhos desse ano e já existe a possibilidade de outros estados receberem o GT no ano que vem. O local onde está sendo realizado o seminário de Porto Alegre é: Rua Aureliano de Figueiredo Pinto, 80 – 3° andar. Os organizadores oferecem um texto para que se comece a entender o assunto do seminário: “Embora o ECA determine o investimento na integração familiar e considere o abrigamento como medida provisória, levantamento realizado em 2003 nos abrigos da Rede de Serviço de Ação Continuada (SAC) do Ministério de Assistência e Promoção Social, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), constatou que em apenas 6% dos municípios brasileiros aproximadamente 20 mil crianças e adolescentes vivem em abrigos. A grande maioria dos abrigados tem família (86,7%), sendo que 58,2% mantêm vínculos familiares e apenas 5,8% estão impedidos judicialmente de contato com os familiares. Apenas uma minoria, 10,7%, estava judicialmente em condições de ser adotada. “Acolhimento Familiar. Por ter seus direitos violados, algumas crianças e adolescentes devem ser afastados provisoriamente de suas famílias de origem e abrigados em uma família acolhedora. A família que acolhe continua com sua vida cotidiana, mantém sua organização e espaço original, e acolhe um filho de uma outra família. Após a seleção, a família acolhedora é capacitada para receber a criança. Para apoiar o processo, ela recebe acompanhamento psicossocial e um subsídio financeiro. No Brasil, há poucos programas em desenvolvimento, tais como: Campinas(SP), Santos (SP), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ). Em São Bento do Sul (SC), o programa é principal e único, e não há abrigos. “A Associação Brasileira Terra dos Homens é uma instituição sem fins lucrativos que tem como público-alvo crianças e adolescentes separados ou em vias de se separar de suas famílias, vivendo em instituições (abrigos), nas ruas da cidade ou em contexto de violência doméstica. A ong promove e investe todos os nossos esforços num trabalho psicossocial que visa a valorização e o fortalecimento da família das crianças e adolescentes atendidos em seus projetos. O trabalho já beneficiou cerca de nove mil crianças e adolescentes e 3,5 mil famílias. Desde 2001, a ABTH realiza a transferência de tecnologia social, capacitando profissionais de instituições que atuam na defesa de direitos de crianças e adolescentes. Em todo o país, mais de mil profissionais foram capacitados. Estima-se que um número de 11,5 mil crianças e adolescentes e suas famílias foram beneficiados por meio da formação obtida por estes profissionais. Para mais informações, clique aqui e acesse o site da entidade.

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.