Prevenção e combate às drogas e o que as comunidades cristãs têm a ver com isso

Mesmo sabendo que na maior cidade do país, São Paulo, dois eventos deste fim de semana prolongado chamaram a atenção da mídia e dos evangélicos em geral – refiro-me à Marcha para Jesus (quinta, 23) e à Parada Gay (domingo, 26) – ainda assim considero mais importante comentar a passagem, também neste domingo, 26, do Dia Internacional contra as Drogas e o Tráfico, e estimular você à leitura do relatório lançado esta semana pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (Unodc/ONU) que, por exemplo, alerta para o consumo abusivo de medicamentos no Brasil – sobretudo emagrecedores à base de anfetamina, e informa que, em todo o mundo, cerca de 210 milhões de pessoas (4,8% da população com idade entre 15 e 64 anos) usaram drogas ilícitas em 2010, e destas, 200 mil morreram como consequência deste problema. Ainda segundo o relatório da ONU: a América do Sul é a maior produtora de cocaína; e o consumo na região também começa a se destacar.  E a América do Norte é o maior mercado de drogas do mundo.

Mas é possível manter a esperança. O impacto da tragédia das drogas sobre a humanidade pode ser mitigado. E, inclusive do ponto de vista da ONU, até as igrejas têm parte nisso. Veja o que diz o secretário-geral da entidade, Ban Ki-moon: “Os governos têm a responsabilidade de neutralizar o tráfico e o uso de drogas, mas as comunidades também podem dar uma contribuição importante. As famílias, escolas, sociedade civil e organizações religiosas podem fazer a sua parte para livrar suas comunidades das drogas. As empresas podem ajudar a fornecer recursos, a mídia pode aumentar a conscientização sobre os perigos das drogas”.

 

O diretor da Unodc também fala sobre o papel que as comunidades podem desempenhar na superação dos desafios das drogas: “A prevenção começa com uma comunidade que se preocupa com os mais vulneráveis, e envolve famílias, professores, líderes de jovens e mentores, entre outros. Devemos começar a pensar globalmente e agir localmente para conter o abuso e tráfico de drogas”.

 

O Relatório Mundial sobre o problema das Drogas (World Drug Report 2011) descreve a situação do mercado perverso das drogas, os fatores que afetam o consumo, produção e tráfico de substâncias ilícitas que causam dependência química. O slogan da campanha anual da entidade para mobilizar, apoiar e inspirar pessoas contra as drogas é: “A saúde global começa com comunidades livres das drogas”. A ideia é atingir a meta da prevenção, tratamento e cuidados através de apoio às estratégias das comunidades e inclusão das pessoas comuns no centro da resposta. Sabendo que não existem soluções fáceis nem únicas para o desafio das drogas, pois cada comunidade tem um conjunto único de problemas e circunstâncias. É por isso que as ações desenvolvidas com a participação de todos os setores da sociedade – desde famílias até escolas, e desde postos de saúde a profissionais da lei – são as melhores opções para enfrentar tal desafio com mais eficiência e menor custo. (Por Lenildo Medeiros)

 

Saiba mais sobre a campanha.

 

Pegue o Relatório Mundial sobre Drogas, na íntegra (há versões em espanhol, inglês e francês).

Pin It

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.