Ensino religioso nas escolas públicas em debate no STF. Saiba como participar!

Atenção! Está marcada para 15 de junho, 9 da manhã, no Supremo Tribunal Federal (STF) uma audiência pública que pretende discutir o modelo de ensino religioso praticado nas escolas públicas do Brasil. A questão desperta elevado interesse. Os maiores interessados na discussão do tema são, principalmente, entidades religiosas, sindicatos de profissionais de educação, representantes de grupos ateus e movimentos de defesa de direitos em questões de gênero. Neste artigo, queremos oferecer subsídios para uma maior conscientização e participação evangélica em geral.

O motivo do encontro no STF é auxiliar o ministro Luís Roberto Barroso, em suas decisões como relator de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade movida pela Procuradoria-Geral da República (Adin 4.439 proposta em 2010 pela então vice-procuradora Débora Duprat) que afirma que o ensino religioso não pode ter professores que sejam “representantes de confissões religiosas”, pois consideram esta uma disciplina não-confessional. Para a Procuradoria, o conteúdo da disciplina ensino religioso só pode ser uma exposição “das doutrinas, práticas, história e dimensão social das diferentes religiões”, sem interferência de parcialidade do professor. Se não for assim, dizem, afronta o princípio constitucional da laicidade. Argumenta que a laicidade do Estado brasileiro impõe a neutralidade em relação às distintas opções religiosas presentes na sociedade, de modo a vedar o favorecimento ou embaraço de qualquer crença ou grupo de crenças.

 

Marco Feliciano e Magno Malta na lista de oradores

Na lista de entidades que farão uma exposição de quinze minutos na audiência no STF, que terá transmissão ao vivo pela TV e Rádio Justiça, estão as seguintes instituições evangélicas: Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd), Igreja Assembleia de Deus, Convenção Batista Brasileira.

Estão na programação e deverão expor seus pontos de vista na ocasião, alguns pastores e políticos evangélicos. Pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, o nome relacionado é o do Deputado Marco Feliciano. Pela Frente Parlamentar Mista Permanente em Defesa da Família, consta o nome do Senador Magno Malta na lista de oradores.

O bispo Manoel Ferreira falará pela Convenção Nacional das Assembleias de Deus - Ministério de Madureira. O orador da Universal será Renato Gugliano Herani. O pastor Vanderlei Batista Marins falará pelos batistas. Abiezer Apolinário da Silva, pela Assembleia de Deus - Ministério de Belém.

 

7 formas de você participar do debate sobre ensino religioso nas escolas públicas:

a) Ler em detalhes sobre a questão do ensino religioso, como estabelecido atualmente, na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e no Decreto 7.107/2010, acordo assinado entre o Brasil e Vaticano.

Decreto nº 7.107/2010: promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e a Santa Sé relativo ao Estatuto Jurídico da Igreja Católica no Brasil, firmado na Cidade do Vaticano, em 13 de novembro de 2008 - trecho questionado na Adin:

Artigo 11 - A República Federativa do Brasil, em observância ao direito de liberdade religiosa, da diversidade cultural e da pluralidade confessional do País, respeita a importância do ensino religioso em vista da formação integral da pessoa.

§ 1º - O ensino religioso, católico e de outras confissões religiosas, de matrícula facultativa, constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, em conformidade com a Constituição e as outras leis vigentes, sem qualquer forma de discriminação.

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - trecho questionado na Adin:

"Art. 33. O ensino religioso, de matrícula facultativa, é parte integrante da formação básica do cidadão e constitui disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental, assegurado o respeito à diversidade cultural religiosa do Brasil, vedadas quaisquer formas de proselitismo. (Redação dada pela Lei nº 9.475, de 22.7.1997)

§ 1º Os sistemas de ensino regulamentarão os procedimentos para a definição dos conteúdos do ensino religioso e estabelecerão as normas para a habilitação e admissão dos professores.

§ 2º Os sistemas de ensino ouvirão entidade civil, constituída pelas diferentes denominações religiosas, para a definição dos conteúdos do ensino religioso."

Ação Direta de Inconstitucionalidade da Procuradoria-Geral da República - Adin 4.439

b) Acompanhar o debate ao vivo pela TV Justiça (ou pela Rádio Justiça).

c) Prestar atenção para conhecer os argumentos das várias e antagônicas posições defendidas pelos participantes da audiência.

ensino religioso reportagem especial 550

Reportagem especial - Escolas de fé: a religião na sala de aula

d) Pesquisar sobre os modelos de ensino religioso em escolas públicas de outros países.

e) Participar da audiência no STF com seus comentários e posicionamentos, enviando-os pelo email: . Na mensagem, dizer qual entidade você representa e incluir currículo resumido.

f) Defender sua posição e não deixar de compartilhar o que pensa em outros fóruns.

g) Orar por sabedoria dos atores principais do debate, para que a melhor decisão prevaleça.

 

Mais detalhes da audiência sobre ensino religioso nas escolas públicas

No total, 31 entidades terão direito a expressar seus posicionamentos na audiência do dia 15.

Luis Roberto Barroso STF w300

As 10 convidadas pelo ministro-relator Luís Roberto Barroso:

  • Conselho Nacional de Secretários de Educação – CONSED;
  • Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação – CNTE;
  • Confederação Israelita do Brasil – CONIB, (iv) Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB;
  • Convenção Batista Brasileira – CBB;
  • Federação Espírita Brasileira – FEB;
  • Federação das Associações Muçulmanas do Brasil – FAMBRAS;
  • Igreja Assembleia de Deus - Ministério de Belém;
  • Liga Humanista Secular do Brasil – LIHS;
  • Sociedade Budista do Brasil – SBB.

E as 21 selecionadas dentre um total de 227 inscrições de interessados em contribuir para o debate, com base em critérios de representatividade, expertise e garantia da pluralidade da composição dos pontos de vista.

  • Ação Educativa Assessoria, Pesquisa e Informação;
  • AMICUS DH – Grupo de Atividade de Cultura e Extensão da Faculdade de Direito da USP;
  • Anis – Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero;
  • ANAJUBI – Associação Nacional de Advogados e Juristas Brasil-Israel;
  • Arquidiocese do Rio de Janeiro;
  • ASSINTEC - Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura;
  • Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação e Pesquisa em Teologia e Ciências da Religião – ANPTECRE;
  • Centro de Raja Yoga Brahma Kumaris;
  • Clínica de Direitos Fundamentais da Faculdade de Direito da UERJ;
  • Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados;
  • Comissão Permanente de Combate às Discriminações e Preconceitos de Cor, Raça, Etnia, Religiões e Procedência Nacional;
  • Comitê Nacional de Respeito à Diversidade Religiosa da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República;
  • Conectas Direitos Humanos;
  • Conselho Nacional de Educação do Ministério da Educação;
  • Convenção Nacional das Assembleias de Deus - Ministério de Madureira;
  • Federação Nacional do Culto Afro Brasileiro – FENACAB em conjunto com Federação de Umbanda e Candomblé de Brasília e Entorno;
  • Fórum Nacional Permanente do Ensino Religioso – FONAPER;
  • Frente Parlamentar Mista Permanente em Defesa da Família;
  • Igreja Universal do Reino de Deus;
  • Instituto dos Advogados Brasileiros – IAB;
  • Observatório da Laicidade na Educação em conjunto com o Centro de Estudos Educação e Sociedade.

 

Ordem de pronunciamentos na programação da audiência sobre ensino religioso:

Os participantes convidados e aqueles que tiveram a sua inscrição selecionada terão quinze minutos, cada, para expor suas posições durante a audiência. A ordem das exposições será a seguinte:

Dia 15.06.2015 — Manhã, das 9h às 13h:

Conselho Nacional de Secretários de Educação — CONSED (Expositor: Eduardo Deschamps); Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação — CNTE (Expositor: Roberto Franklin de Leão); Confederação Israelita do Brasil — CONIB (Expositora: Roseli Fischmann); Conferência Nacional dos Bispos do Brasil — CNBB (Expositor: Antonio Carlos Biscaia); Convenção Batista Brasileira — CBB (Expositor: Vanderlei Batista Marins); Federação Espírita Brasileira — FEB (Expositor: Alvaro Chrispino); Federação das Associações Muçulmanas do Brasil — FAMBRAS (Expositor: Ali Zoghbi); Federação Nacional do Culto Afro-Brasileiro — FENACAB e Federação de Umbanda e Candomblé de Brasília e Entorno (Expositor: Antônio Gomes da Costa Neto); Igreja Assembleia de Deus - Ministério de Belém e Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil - CGADB (Expositor: Abiezer Apolinário da Silva); Convenção Nacional das Assembleias de Deus - Ministério de Madureira (Expositor: Bispo Manoel Ferreira); Liga Humanista Secular do Brasil — LIHS (Expositor: Thiago Gomes Viana); Sociedade Budista Brasileira (Expositor: João Nery Rafael); Centro de Raja Yoga Brahma Kumaris (Expositora: Cleunice Matos Rehem); e Igreja Universal do Reino de Deus (Expositor: Renato Gugliano Herani).

Dia 15.06.2015 — Tarde, das 14h30 às 19h30:

Anis — Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero (Expositora: Debora Diniz); Observatório da Laicidade na Educação (Expositor: Luiz Antônio Cunha); AMICUS DH – Grupo de Atividade de Cultura e Extensão da Faculdade de Direito da USP (Expositor: Virgílio Afonso da Silva); Comissão Permanente de Combate às Discriminações e Preconceitos de Cor, Raça, Etnia, Religiões e Procedência Nacional (Expositor: Carlos Minc Baumfeld); Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (Expositor: Deputado Marco Feliciano); Ação Educativa Assessoria, Pesquisa e Informação (Expositor: Salomão Barros Ximenes); Fórum Nacional Permanente do Ensino Religioso — FONAPER (Expositor: Leonel Piovezana); ASSINTEC - Associação Inter-Religiosa de Educação e Cultura (Expositor: Elói Correa dos Santos); Conselho Nacional de Educação do Ministério da Educação (Expositor: Luiz Roberto Alves); Comitê Nacional de Respeito à Diversidade Religiosa da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (Expositor: Gilbraz Aragão); Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação e Pesquisa em Teologia e Ciências da Religião — ANPTECRE (Expositor: Wilhelm Wachholz); Instituto dos Advogados Brasileiros — IAB (Expositor: Gilberto Garcia); Associação Nacional de Advogados e Juristas Brasil-Israel — ANAJUBI (Expositor: Carlos Roberto Schlesinger); Frente Parlamentar Mista Permanente em Defesa da Família (Expositor: Senador Magno Malta); Arquidiocese do Rio de Janeiro (Expositor: Luiz Felipe de Seixas Corrêa); Conectas Direitos Humanos (Expositor: Oscar Vilhena Vieira); e Clínica de Direitos Fundamentais da Faculdade de Direito da UERJ (Expositor: Daniel Sarmento).

Atualizada: Sexta, 29 Mai 2015 20:26

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.