Evangélicos argentinos se mobilizam contra a exclusão econômica e a corrupção

Apesar de sentirem frio de dois graus negativos e das pancadas de chuva intermitentes, cerca de 400 mil pessoas ocuparam a Avenida 9 de Julho, no centro da capital argentina, para participar do maior ato evangélico por igualdade e justiça. É a segunda vez que o Conselho Nacional Cristão Evangélico (CNCE) mobiliza igrejas de todo o país para celebrar, orar, agradecer a Deus e proclamar uma mensagem cristã sobre a realidade nacional com o mesmo lema da concentração anterior: “Jesus Cristo por todos e para todos”. Integram o CNCE a Federação Aliança Cristã de Igrejas Evangélicas da República Argentina (Faciera), a Federação Confraternidade Evangélica Pentecostal (Fecep) e a Federação Argentina de Igrejas Evangélicas (Faie).

No primeiro evento, em 1999, havia cerca de 200 mil pessoas. Em torno de um dos mais conhecidos locais de Buenos Aires, o obelisco, desfilaram, com bandeiras e trajes típicos, representantes das 23 províncias argentinas, incluindo escolas, associações e bandas. Os organizadores, cujos nomes e títulos foram intencionalmente omitidos, recolheram alimentos para os mais necessitados e foi lido um documento intitulado “Deus quer uma nação diferente”. Emissoras de rádio e televisão deram cobertura ao acontecimento, que foi pauta dos principais jornais no dia seguinte. O jornal La Nación destacou que representantes de 18 mil igrejas leram um documento sobre a crise política e social, oraram pelas vítimas dos atentados nos EUA e entregaram alimentos à Cruz Vermelha e outras entidades de assistência”. O Clarín, jornal de maior tiragem do país, informou que homens e mulheres chegavam a pé, de ônibus ou em carros de passeio de todas as partes do país e o especialista religioso do jornal, Sergio Rubin, analisou: “Certamente, nenhum político pode sonhar hoje com um auditório tão grande e dedicado. A nova realidade das igrejas evangélicas históricas permitirá a suas comunidades exigir com maior força seu permanente pedido de igualdade religiosa”. Para o pastor Rubén Proietti, da Confraternidade Evangélica Latino-americana, foi a ação do Espírito Santo, mediante a unidade e trabalho dos filhos de Deus que encheu de fiéis a avenida mais importante do país. “A multidão reunida foi um testemunho impactante”, declarou, e que “coisas maiores e lindas virão”, se “o papel principal for do Senhor e formos obedientes”. Uma cobertura da concentração, com fotos e textos, pode ser encontrada no site: www.cristianet.com. Leia a seguir um trecho do documento “Deus quer uma nação diferente”. “Cantamos e celebramos, em meio às dificuldades, porque nos recusamos a deixar que a dor e a desesperança nos desanimem. A situação que enfrentamos há muito tempo, hoje particularmente agravada, não é fruto de um destino adverso, senão da conseqüência de haver feito o que não devíamos, deixado de fazer o que devíamos e tolerado o intolerável. Como sociedade e diante de Deus, devemos reconhecer que temos valorizado mais aos astutos do que aos honestos e preferido a facilidade e a especulação. Temos tirado o valor do ser humano do centro das decisões econômicas e políticas. Seria injusto responsabilizar a todos por igual... “Há aqueles que, usando seu poder político ou econômico, têm institucionalizado a injustiça e a impunidade e têm roubado nossos recursos. Continua-se a sacrificar a crianças e anciãos, futuro e esperança, no altar do ídolo insaciável do dinheiro e da usura. As conseqüências deste pecado estão à vista: uma sociedade em que se multiplicam pobres e excluídos. A família, base da sociedade, está seriamente ameaçada por uma cultura que põe em primeiro lugar o prazer e o consumismo. Como nação, temos nos afastado de Deus e temos deixado de lado seus propósitos de bem-estar e justiça para todos. É tempo de nos arrependermos.” POR LUCIANO P. VERGARA, pastor e jornalista que atua na Igreja Metodista.

Atualizada: Domingo, 20 Julho 2014 22:56

Pin It

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.