Relatório sobre a Situação Social Mundial 2005

O Report on the World Social Situation 2005 (Relatório sobre a Situação Social Mundial 2005) das Nações Unidas, divulgado hoje (25/8), é um grito de alerta para a desigualdade persistente e crescente em nível mundial. O Relatório concentra-se no abismo que existe entre as economias formais e informais, o fosso cada vez maior entre os trabalhadores qualificados e não-qualificados, as disparidades crescentes nas áreas de saúde, educação e oportunidades de participação social, econômica e política. Segundo o Secretário-Geral das Nações Unidas, Kofi Annan, "o Relatório pode ajudar a orientar medidas decisivas que visem construir um mundo mais seguro e próspero, em que as pessoas possam usufruir dos seus direitos humanos e liberdades fundamentais".

Seguem alguns extratos de informações do relatório: - Apesar do crescimento econômico considerável registrado em muitas regiões, a desigualdade a nível mundial é maior do que há 10 anos. - Segundo o Report on the World Social Situation 2005: The Inequality Predicament (Relatório sobre a Situação Social Mundial 2005: O Problema da Desigualdade), as desigualdades entre países e dentro dos mesmos têm acompanhado a globalização. - As taxas de desemprego dos jovens são particularmente altas. A probabilidade de os jovens estarem desempregados é duas a três vezes superior à dos adultos. - Os jovens constituem atualmente 47% do total dos 186 milhões de desempregados do mundo. - Quase um quarto dos trabalhadores do mundo inteiro não ganha o suficiente para conseguir ultrapassar o limiar de pobreza de um dólar por dia e melhorar a situação da sua família. - Em muitos países, as desigualdades salariais aumentaram desde a década de 1980, tendo-se registrado uma diminuição dos salários mínimos reais e um aumento acentuado dos rendimentos de nível mais elevado. - As desigualdades nas áreas da saúde e da educação aumentaram, especialmente dentro dos países. As desigualdades em termos de esperança de vida aumentaram significativamente. O HIV/aids tem agravado as diferenças, especialmente entre a África e o resto do mundo. Há também grandes disparidades no que se refere ao acesso à imunização, cuidados maternos e infantis, nutrição e educação. - A violência é muitas vezes fruto da desigualdade. É perigoso para a paz e segurança nacionais e internacionais permitir que a desigualdade econômica e política se agravem. A desigualdade a estes níveis, especialmente a luta pelo poder político, por terras e por outros bens, pode gerar desintegração e exclusão social e conduzir ao conflito e à violência. Entre as manifestações deste tipo de violência mencionadas no Relatório estão a guerra, a utilização de crianças-soldado, e a violência doméstica e sexual. - Os povos indígenas, as pessoas com deficiência, os idosos e os jovens são normalmente excluídos de processos de decisão que afetam o seu bem-estar. Continuam, em muitos casos, a ser negados direitos humanos a estes grupos, que têm sido alvo de discriminação ao longo da história e que também são freqüentemente excluídos do processo político. Com base nestas conclusões, o relatório recomenda: + Uma distribuição mais eqüitativa dos benefícios de uma economia mundial cada vez mais aberta. Promovendo a participação democrática de todos os países e todos os povos nos processos que determinam as prioridades internacionais de desenvolvimento. + Esforços especiais no sentido de integrar grupos marginalizados na sociedade. + Dedicar atenção à necessidade de reduzir as desigualdades no acesso a recursos e oportunidades. + Melhorar as condições que existem na economia informal através da realização de programas de proteção social e do estabelecimento de ligações melhores entre a economia formal e informal. + Aumentar as oportunidades de emprego produtivo e digno; os jovens devem ser um dos alvos das políticas e programas de emprego. (Fonte: Nações Unidas Brasil/ONU)

Atualizada: Domingo, 20 Julho 2014 22:54

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.