Eleições: Saneamento básico ou "esse cara sou eu"

Logo que pisei o primeiro degrau para embarcar no ônibus, ouvi o refrão recitado pela voz forte do cobrador: "Esse cara sou eu". Considerando que em coletivos do Rio acontece de tudo, não estranhei.

O mais provável é que ele estivesse falando ao celular com o alvo de uma virtual conquista amorosa. Quando cheguei à catraca, veio a surpresa, na forma de um panfleto eleitoral com a foto de um candidato a governador na parte de cima e a dele, o cobrador, na parte de baixo. Deputado Federal, que um cara como ele não podia se permitir menos. Ele repetia o mantra e apontava para o papel, confirmando que se tratava dele mesmo. Já vi de tudo em ônibus na Cidade Maravilhosa, mas algo do gênero foi a primeira vez. Não pude deixar de fazer a pergunta óbvia:

"Tudo bem, o cara é você mesmo. Qual sua principal proposta de trabalho, se eleito"? Ele não esperava a interpelação, mas teve presença de espírito suficiente para responder: "Apoio ao deficiente físico". Ponderando que muita gente já trabalhava nessa área, com ou sem mandato parlamentar, pedi que fosse mais específico. Desconfiado, ele foi mais genérico ainda: "Saúde, educação e moradia". Foi o bastante para ele perder um pouco provável - mas não impossível - eleitor.

Futuro legislador

Na realidade, a resposta esperada era meio como acertar na megasena. Caso o "essecarasoueu" dissesse duas palavrinhas mágicas, eu até consideraria a hipótese de votar nele, embora vendo que, como um futuro legislador, ele já começava a jornada legislando em causa própria, misturando o público com o privado no ato de fazer campanha em horário de trabalho. Esse e até outros deslizes eu relevaria, se ele respondesse que ia lutar para que saneamento básico não fosse uma figura de pura ficção na realidade de milhões e milhões de brasileiros. Mesmo se ele dissesse que usaria todo o tempo de seu mandato para canalizar apenas uma vala negra numa comunidade qualquer da Baixada Fluminense ou da capital, eu já ficaria interessado em conhecê-lo melhor.

O problema do Brasil não é falta de dinheiro

O problema brasileiro é falta de projeto, planejamento, execução e manutenção. Fora, naturalmente, a existência do mal maior da corrupção. Uma parcela enorme da população brasileira convive com a ausência absoluta de esgotamento sanitário e acesso a água potável, devidamente tratada. Conheço o problema in loco, porque ao lado do primeiro barraco em que minha família morou no Rio de Janeiro corria uma vala negra, a céu aberto, se é que uma coisa não é sinônimo da outra. A família se uniu e realizou ela mesma a canalização. Em todas as favelas em que trabalhei como pastor, o problema existia e, em várias outras, continua existindo.

Baixada Fluminense

Trabalhando hoje na Baixada Fluminense (Belfort Roxo), deparo-me de novo com o problema. Além das ruas esburacadas, sem pavimentação, do lixo espalhado pelas ruas, do transporte precário e da criminalidade, estão lá os valões sem qualquer tratamento e uma mosquitada sedenta que ataca em nuvem, sem cessar, infernizando a vida da população. Apesar disso tudo, os candidatos a cargos eletivos não cessam de declarar, como o cobrador do ônibus, que "essecarasoueu", ou seja, aquele que vai consertar tudo e dar ao povo a felicidade com que ele sonha.

Se algum deles ajudar a tapar pelo menos uma vala, sairá da minha lista particular de ratos de esgoto.

* Macéias Nunes é Jornalista e Pastor batista

Atualizada: Quinta, 14 Mai 2015 07:52

Pin It

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.