Universidade da Bahia ouve lideranças de bairros vizinhos para fazer inclusão social

A Universidade Estadual da Bahia (UNEB) está recebendo líderes comunitários de bairros vizinhos para construção de amplo programa de inclusão social. Lideranças de igrejas evangélicas também podem participar com análises e sugestões.

Para tanto, deverão procurar a Reitoria da universidade. Uma primeira reunião com representantes dos moradores das localidades da Cabula, Engomadeira, São Gonçalo, Estrada das Barreiras, Tancredo Neves e Beiru, em Salvador, foi realizada no final de janeiro.

Todas estas comunidades são muito carentes em infra-estrutura de lazer e saneamento, e com parcela da população no mercado informal de trabalho e sem perspectivas educacionais. Elas têm em comum a proximidade com o Campus da universidade.

O objetivo da UNEB com estas reuniões, que prosseguirão acontecendo, é interagir e colaborar com seus vizinhos, para construir, democraticamente, um conjunto de ações a serem realizadas com a participação da comunidade universitária. “Vamos montar uma sala especial para ouvir todas as demandas dos representantes da comunidade, um a um”, garantiu o reitor da UNEB, Lourisvaldo Valentim.

Nos próximos meses, uma comissão da universidade vai ouvir todas as carências das comunidades. Na primeira reunião, os representantes falaram das principais dificuldades que enfrentam: analfabetismo juvenil e adulto, evasão escolar, falta de espaços de lazer, falta de saneamento, entre outros. O programa está vinculado à Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação (PPG). Para o professor do Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade (PPGEduC), Eduardo Dantas, e os mestrandos Romilson Sousa e Ivy Mattos, que estão coordenando as ações na UNEB, a idéia é formar uma rede de apoio, ouvindo a comunidade e servindo como mediador entre seus anseios e o poder público. O programa também conta com a participação de estudantes e técnicos da universidade que já atuam em programas sociais.

Estavam presentes à primeira reunião: Norma Ribeiro, moradora do bairro do Beiru e dirigente da Associação de Proteção e Defesa Unidos do Beiru, que declarou seu objetivo com a frase “nós vamos salvar nossos filhos”; Domingos Sérgio, da Associação Arca do Axé, que manifestou seu sonho de “ver essa rede funcionando e respeitando as diferenças entre as comunidades”; representantes de religiões católica, espírita e afro-brasileiras; da Associação Comunitária e Carnavalesca África-Bahia e de rádios comunitárias, grupos de capoeira e outras associações de moradores.

Atualizada: Quarta, 26 Novembro 2014 09:06

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.