"Sistema penitenciário no Brasil é uma vergonha", diz autor de livro sobre o Comando Vermelho

Em Comando Vermelho, livro da trilogia sobre o crime que inclui CV - PCC - A irmandade do crime e Assalto ao poder, o jornalista Carlos Amorim se debruça sobre a estrutura de uma facção criminosa que se formou dentro de um presídio. Partindo deste fato, numa entrevista divulgada pela sua editora, a Record, o autor fala sobre o sistema penitenciário no Brasil:

"O sistema penitenciário no Brasil é uma vergonha. É baseado no castigo, na tortura e na corrupção. O estado brasileiro é diretamente responsável pelo surgimento dessas facções, fruto de movimentos internos de resistência contra o moedor de carne que é o esquema prisional. Não educa ninguém, não recupera ninguém: o sujeito entra ladrão e sai chefe de quadrilha. Quase 5% dos encarcerados já poderiam estar livres e continuam lá. Temos 473 mil prisioneiros (150 mil só no estado de São Paulo) e há mais de 300 mil mandados de prisão para serem cumpridos. Imaginem só o que aconteceria se prendêssemos todos esses criminosos soltos".

Atualizada: Segunda, 23 Abril 2012 14:45

Pin It

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.