Debate sobre saúde mental merece a atenção de líderes de igrejas

No fórum “Ética e Políticas Públicas de Saúde”, realizado sexta-feira passada (22/9), em Brasília, especialistas apresentaram propostas para um novo modelo de assistência em saúde mental no país. As propostas serão votadas no Congresso Brasileiro de Psiquiatria, em outubro, e encaminhadas ao Ministério da Saúde. O fórum fez parte do “3º Simpósio Internacional sobre Depressão e Transtorno Bipolar”, em que psiquiatras brasileiros e associações ligadas à defesa dos portadores de transtornos mentais questionaram o processo de reforma no atendimento. A saúde mental merece também atenção especial de pastores e líderes de igrejas, que devem buscar compreender melhor o problema. Segundo o Ministério da Saúde, os transtornos mentais nos brasileiros estão acima dos níveis esperados: “A esquizofrenia atinge 1% da população, por exemplo. Os transtornos graves – psicóticos, somados à esquizofrenia – alcançam 3%; os distúrbios gerados pela dependência de álcool, 10% da população acima de 12 anos. Então, a magnitude do problema exige grande disponibilidade de serviços. A crise social e a violência urbana afetam a saúde mental das pessoas”.

Entre as propostas do fórum de psiquiatras para a melhoria do sistema estão a criação de uma rede diversificada de atendimento, com ambulatórios, hospitais especializados, unidades psiquiátricas em hospitais gerais, moradias supervisionadas e programas de reabilitação. Para a formulação do modelo, a Associação Brasileira de Psiquiatria designou um grupo de 12 profissionais. Os psiquiatras brasileiros e as associações ligadas à defesa dos portadores de transtornos mentais questionaram o processo de Reforma do Modelo de Assistência em Saúde Mental, conhecida como reforma psiquiátrica, que define a reinserção social e assistência integral ao paciente. E que, além disso, prevê que a internação em hospital seja o último recurso no tratamento de doenças mentais (lei promulgada em 2001). Os especialistas criticam a forma como a legislação é cumprida. Alegam que os recursos não estão sendo bem aplicados, o que acaba deixando os pacientes sem alternativas de tratamento. De acordo com o presidente da Associação Psiquiátrica de Brasília (APBr), Antônio Geraldo da Silva, o país passa por uma falta de assistência na área. “O pronto-socorro comum não está preparado para atender doentes mentais. Discordo de como é conduzida a reforma do modelo de assistência em saúde mental. Tem que ser integral, com vários tipos de serviço como campanhas e programas específicos”, aponta. Segundo Silva, havia 120 mil leitos públicos no país em 1989. Com a implantação da reforma, foram reduzidos a 40 mil. “Não criaram alternativas para o tratamento dessas pessoas. A proposta era fazer no mínimo 3.500 serviços de atendimento em psiquiatria e foram feitos 880. Isso não é nada, não atende nem o estado de Minas Gerais, que tem 852 municípios. Então, a saúde mental no país está muito aquém da necessidade da população”, avalia. Segundo o professor do Instituto de Psiquiatria da Universidade de São Paulo e diretor de psiquiatria do Hospital das Clínicas, Valentim Gentil, com a extinção de leitos de hospitais psiquiátricos, desde a promulgação da lei 10.216, em 2001, alguns pacientes que saem desses leitos passam a viver nas ruas ou acabam presos. Gilson Magalhães, da Associação de Familiares de Doentes Mentais da Bahia, participou do evento e concorda com Gentil. Segundo ele, 520 leitos psiquiátricos foram extintos na Bahia, de janeiro a junho de 2006. “Das pessoas que ocupavam esses leitos, 16 foram instaladas em uma residência terapêutica. As outras 504 saíram dos hospitais e não sabemos onde estão. Inclusive, 62 não tinham qualquer referência familiar”. A representante do Grupo de Familiares de Doentes Mentais do Rio de Janeiro, Ligia Nogueira Moreno, disse que as famílias precisam recorrer à Justiça para conseguir internações de emergência. “A pessoa é levada ao hospital, toma uma injeção e é mandada para casa, mas a crise continua. Precisamos recorrer a um juiz de plantão, que ordena a internação. E quando não há família?”, questiona. “O modelo no qual o Brasil se inspirou, que é a reforma psiquiátrica italiana, deu ao paciente alternativas de tratamento antes de retirar dele o leito”, afirma Gentil. “Temos hoje pelo menos dez pessoas amarradas em macas ou que estão em camas ou no chão de hospitais do município de São Paulo. A prefeitura informou que, no fim de agosto, 268 pessoas tiveram a internação inviabilizada por falta de leito”, completa. Os participantes do fórum defendem a ampliação do sistema de atendimento. No Brasil, existem 27 Caps que funcionam 24 horas. Cada um tem cinco leitos e as internações não podem ultrapassar uma semana. “Não queremos o retorno daquele modelo medieval de hospital. Todos acreditamos que a internação é o último recurso, mas ela pode ser necessária em um tratamento”, diz o psiquiatra. O Ministério da Saúde negou piora na assistência à saúde mental. O coordenador-geral da área destacou os dados do Ministério: em 916 centros do país são atendidas 450 mil pessoas – em 2000 eram 170 Centros. A rede de assistência mantida pelo ministério inclui 400 ambulatórios e 490 residências terapêuticas monitoradas (casas onde vivem pacientes que perderam vínculos familiares). Fonte: Agência Brasil

Atualizada: Domingo, 07 Novembro 2010 23:33

Pin It

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.