Vítimas de acidentes representaram 90% dos atendimentos em urgências e emergências

  • Por Ministério da Saúde
  • Publicado em saúde
  •  
Quedas e acidentes de trânsito são as principais causas de acidentes. Ingestão de álcool antes do acidente foi relatada por 8,1% dos pacientes. As vítimas de acidentes somaram 35.646 atendimentos do total de 39.665 registros de pessoas acolhidas em serviços sentinelas de urgência e emergência no Brasil. Isso representou 89,9% dos atendimentos identificados pelo Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (VIVA), do Ministério da Saúde. Constam do levantamento de informações coletadas em 74 serviços de saúde de 23 capitais e Distrito Federal (lista abaixo), entre setembro e novembro de 2009. Os homens foram que mais necessitaram de atendimento por conta de acidentes, com 23.082 registros (64,8% do total). Para o sexo feminino, o número e a proporção caíram quase pela metade – 12.515 (35,2%). Quarenta e nove pessoas (0,1%) não tiveram o registro do sexo.

Entre os homens, as duas principais causas de acidentes foram as quedas (31,8%) e os acidentes de transporte (29,6%). Essas causas se repetem na mesma ordem para o sexo feminino, com 45% e 20,5%, respectivamente. Pessoas de 20 a 29 foram as que mais procuraram atendimento, com 22,9% do total de vítimas de acidentes.

 

TIPOS DE ACIDENTES – A análise dos dados mostra que as principais causas de acidentes identificadas pelo VIVA foram as quedas (36,5%) e os acidentes de trânsito (26,4%). Também entraram no levantamento os ferimentos com objetos que cortam ou perfuram (7,2%), choque contra pessoa ou objeto (6,5%), lesões ou torções (4,7%), além de acidentes envolvendo penetração, ingestão ou inalação de corpo estranho (4,5%). Houve, ainda, registros de acidentes com objetos que caíram em cima da vítima (3,7%), acidentes com animais (3,2%) e queimaduras (2,2%).

 

Atendimentos de emergência provocados por sufocação, afogamento, envenenamento, acidentes com arma de fogo e situações não especificadas foram incluídas na categoria “outros” e representaram apenas 3,6% do total de pessoas atendidas e participantes da pesquisa. Do total de atendimentos por acidentes, 23,5% foram relacionados ao trabalho, sendo 14,2% em mulheres e 28,7% em homens.

 

De acordo com a coordenadora da área de Vigilância e Prevenção de Acidentes e Violências do Departamento de Análise de Situação de Saúde (Dasis), Marta Silva, as quedas podem ser evitadas com cuidados que variam conforme o grupo etário. “As crianças, por exemplo, devem ficar sob a supervisão dos adultos, sejam os pais ou responsáveis. Nas residências, deve haver proteção de móveis, telas em janelas e varandas, uso de tapetes antideslizantes, cercadinhos, e demais mecanismos de segurança”, explica.

 

Quanto aos idosos, também vulneráveis às quedas, a recomendação é adaptar banheiros, retirar tapetes, usar assentos adaptados para banho, corrimãos, suportes para auxílio no acesso ao banheiro e cama. Para a população em geral, deve haver nivelamento de calçadas, sinalização de obras e proteção de bueiros.

 

BEBIDA ALCOÓLICA – Realizado desde 2006, esta edição do VIVA também apurou se os indivíduos que procuraram atendimento haviam ingerido bebida alcoólica – um hábito mais frequente em homens e que é um importante fator de risco para acidentes, especialmente os acidentes de trânsito e as violências.

 

Pela primeira vez, o questionamento foi feito diretamente aos pacientes. Antes, era anotada somente a suspeita do entrevistador de que a pessoa atendida apresentava indícios de ingestão de bebida alcoólica, tais como o hálito forte e dificuldade para articular palavras.

 

Em 8,1% dos casos, as pessoas estavam alcoolizadas e em 6,7% houve suspeita de terem bebido. Entre os homens, o percentual sobe para 10,6% entre os que declararam ter bebido antes do acidente e 8,9% foram classificados como suspeitos. Para as mulheres, os percentuais caem para 2,7% e 3,7%, respectivamente.

 

RAÇA E COR – Em 51,4% dos casos, as vítimas declararam ser da cor parda; 26,2% se disseram brancos e 17,8%, pretos. Quanto à escolaridade, 30,2% das pessoas declararam ter entre 5 e 8 anos de estudo.

 

PERÍODO – De acordo com o VIVA, os acidentes foram mais frequentes durante o dia. No entanto, há variações, como o aumento de registros a partir das 6h, com pico por volta das 12h. No período da tarde, verifica-se redução, mas com aumento gradual e pico por volta das 18h, coincidindo com o retorno do trabalho para casa. Do total dos atendimentos, 26% foram realizados pela manhã, 36% à tarde e 38% à noite.

 

LOCAL DO ACIDENTE – O local mais comum do acidente foi a residência (37,7%). Em seguida, vêm as vias públicas, como ruas e praças (35,5%). Entre as mulheres, 51% dos acidentes ocorreram na própria casa e 31,4% em vias públicas. Entre os homens, a situação se inverte: 37,7% dos acidentes ocorrem nas ruas e 30,3% no ambiente doméstico. Quanto ao tipo de lesão sofrida, no geral, as principais foram corte ou laceração (28,4%), torções ou luxação (19,5%) e contusão (18,1%).

 

TRANSPORTE – O veículo particular (37,5%), o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência/SAMU (14%) e as ambulâncias (14%) foram os meios de locomoção mais utilizados pelos acidentados para chegar ao hospital. Depois destes, vêm o transporte coletivo (12%) e as viaturas policiais (10,1%).

 

Fonte e texto: Ministério da Saúde

Vítimas de acidentes representaram 90% dos atendimentos em urgências e emergências

Quedas e acidentes de trânsito são as principais causas de acidentes. Ingestão de álcool antes do acidente foi relatada por 8,1% dos pacientes

As vítimas de acidentes somaram 35.646 atendimentos do total de 39.665 registros de pessoas acolhidas em serviços sentinelas de urgência e emergência no Brasil. Isso representou 89,9% dos atendimentos identificados pelo Sistema de Vigilância de Violências e Acidentes (VIVA), do Ministério da Saúde. Constam do levantamento informações coletadas 74 serviços de saúde de 23 capitais e Distrito Federal (lista abaixo), entre setembro e novembro de 2009.

Os homens foram que mais necessitaram de atendimento por conta de acidentes, com 23.082 registros (64,8% do total). Para o sexo feminino, o número e a proporção caíram quase pela metade – 12.515 (35,2%). Quarenta e nove pessoas (0,1%) não tiveram o registro do sexo.

Entre os homens, as duas principais causas de acidentes foram as quedas (31,8%) e os acidentes de transporte (29,6%). Essas causas se repetem na mesma ordem para o sexo feminino, com 45% e 20,5%, respectivamente. Pessoas de 20 a 29 foram as que mais procuraram atendimento, com 22,9% do total de vítimas de acidentes.

TIPOS DE ACIDENTES – A análise dos dados mostra que as principais causas de acidentes identificadas pelo VIVA foram as quedas (36,5%) e os acidentes de trânsito (26,4%). Também entraram no levantamento os ferimentos com objetos que cortam ou perfuram (7,2%), choque contra pessoa ou objeto (6,5%), lesões ou torções (4,7%), além de acidentes envolvendo penetração, ingestão ou inalação de corpo estranho (4,5%). Houve, ainda, registros de acidentes com objetos que caíram em cima da vítima (3,7%), acidentes com animais (3,2%) e queimaduras (2,2%).

Atendimentos de emergência provocados por sufocação, afogamento, envenenamento, acidentes com arma de fogo e situações não especificadas foram incluídas na categoria “outros” e representaram apenas 3,6% do total de pessoas atendidas e participantes da pesquisa. Do total de atendimentos por acidentes, 23,5% foram relacionados ao trabalho, sendo 14,2% em mulheres e 28,7% em homens.

De acordo com a coordenadora da área de Vigilância e Prevenção de Acidentes e Violências do Departamento de Análise de Situação de Saúde (Dasis), Marta Silva, as quedas podem ser evitadas com cuidados que variam conforme o grupo etário. “As crianças, por exemplo, devem ficar sob a supervisão dos adultos, sejam os pais ou responsáveis. Nas residências, deve haver proteção de móveis, telas em janelas e varandas, uso de tapetes antideslizantes, cercadinhos, e demais mecanismos de segurança”, explica.

Quanto aos idosos, também vulneráveis às quedas, a recomendação é adaptar banheiros, retirar tapetes, usar assentos adaptados para banho, corrimãos, suportes para auxílio no acesso ao banheiro e cama. Para a população em geral, deve haver nivelamento de calçadas, sinalização de obras e proteção de bueiros.

BEBIDA ALCOÓLICA – Realizado desde 2006, esta edição do VIVA também apurou se os indivíduos que procuraram atendimento haviam ingerido bebida alcoólica – um hábito mais frequente em homens e que é um importante fator de risco para acidentes, especialmente os acidentes de trânsito e as violências.

Pela primeira vez, o questionamento foi feito diretamente aos pacientes. Antes, era anotada somente a suspeita do entrevistador de que a pessoa atendida apresentava indícios de ingestão de bebida alcoólica, tais como o hálito forte e dificuldade para articular palavras.

Em 8,1% dos casos, as pessoas estavam alcoolizadas e em 6,7% houve suspeita de terem bebido. Entre os homens, o percentual sobe para 10,6% entre os que declararam ter bebido antes do acidente e 8,9% foram classificados como suspeitos. Para as mulheres, os percentuais caem para 2,7% e 3,7%, respectivamente.

RAÇA E COR – Em 51,4% dos casos, as vítimas declararam ser da cor parda; 26,2% se disseram brancos e 17,8%, pretos. Quanto à escolaridade, 30,2% das pessoas declararam ter entre 5 e 8 anos de estudo.

PERÍODO – De acordo com o VIVA, os acidentes foram mais frequentes durante o dia. No entanto, há variações, como o aumento de registros a partir das 6h, com pico por volta das 12h. No período da tarde, verifica-se redução, mas com aumento gradual e pico por volta das 18h, coincidindo com o retorno do trabalho para casa. Do total dos atendimentos, 26% foram realizados pela manhã, 36% à tarde e 38% à noite.
LOCAL DO ACIDENTE – O local mais comum do acidente foi a residência (37,7%). Em seguida, vêm as vias públicas, como ruas e praças (35,5%). Entre as mulheres, 51% dos acidentes ocorreram na própria casa e 31,4% em vias públicas. Entre os homens, a situação se inverte: 37,7% dos acidentes ocorrem nas ruas e 30,3% no ambiente doméstico. Quanto ao tipo de lesão sofrida, no geral, as principais foram corte ou laceração (28,4%), torções ou luxação (19,5%) e contusão (18,1%).

TRANSPORTE – O veículo particular (37,5%), o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência/SAMU (14%) e as ambulâncias (14%) foram os meios de locomoção mais utilizados pelos acidentados para chegar ao hospital. Depois destes, vêm o transporte coletivo (12%) e as viaturas policiais (10,1%).
Atualizada: Terça, 21 Dezembro 2010 08:43

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.