Cuidadores de idosos: necessidade de profissionais e voluntários aumenta

Livro sobre política nacional de idosos traz reflexões e novas indicações Livro sobre política nacional de idosos traz reflexões e novas indicações

Segundo o livro “Politica Nacional do Idoso, velhas e novas questões”, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em 42,1% dos lares onde vivem idosos, eles são casais sem filhos ou residem sozinhos. Este mesmo dado em 1983 era de 25,9%. Como a expectativa de vida feminina é maior (em 2014, era de 78,8 anos, pouco mais de 7 anos a mais que os homens), o número de idosas morando sozinhas é superior ao de homens. O que mais tem hoje é mãe idosa sem o marido e com filhos e mulheres sozinhas (36% dos lares são assim). Os casais com filhos tiveram uma redução de 43,7% para 25,5% em 2014.

Precisa-se de cuidadores

Dentre as consequências dessas mudanças e os problemas relacionados, evidencia-se, diz o estudo, que há menos gente cuidando dos idosos mais frágeis. E o número de casas para abrigo de idosos é pequeno.

Segundo a pesquisa, 3.548 instituições, em aproximadamente 30% das cidades do Brasil. Sendo a maior parte destas, 64,2%, entidades privadas sem fins lucrativos. (as públicas são 6,6% e priorizam idosos sem parentes).

A família e o idoso

Como se sabe, o Estatuto do idoso considera crime se a família não cuidar de seus idosos.

Disse Ana Amélia ao jornal Extra e deve nos fazer refletir: "Idoso sofre discriminação, violência emocional, física, psicológica. Não ter uma política de cuidados resulta em violência. Não se considera o estresse do cuidador familiar, que é responsável 365 dias por ano, sem qualquer ajuda. Isso pode levar à violência causada pelo estresse do cuidador".

Ideia para ministério de idosos das igrejas

As referências de políticas de idosos são: Japão, Alemanha e Inglaterra. Lá eles têm a "política do respiro", em que o governo envia um cuidador para a casa com idoso, para dar um alívio e descanso à família.

Terceira idade diferenciada

Ana Amélia fala da heterogeneidade entre as pessoas desta faixa etária. Diz que tem idoso que é mais ativo, que ainda participa do mercado de trabalho, e tem os mais frágeis, acamados.

"A sociedade brasileira é muito desigual, e isso se intensifica na velhice. Nascem em berços diferentes, têm trajetórias de vida diferentes, envelhecem de forma diferente também", explica a economista.

Além de Ana Amélia Camarano, especialista em terceira idade, o estudo do Ipea foi coordenado também por Alexandre de Oliveira Alcântara e Karla Cristina Giacomin.

Atualizada: Segunda, 24 Outubro 2016 11:06

Pin It

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.