Ebook Questões Polêmicas e Dificeis da Bíblia

Pesquisa da USP demonstra que infra-estrutura urbana é desigual para os mais pobres

Imagine um inimigo com sabedoria milenar, poder sobrenatural e muita vontade de roubar, matar e destruir pessoas. O que ele planejaria para atingir seu objetivo mais rapidamente?

Nem é necessário muita inteligência para responder que tal adversário da felicidade humana escolheria agir por atacado, incidindo especialmente sobre a construção de estruturas urbanas inadequadas e fomentadoras de sofrimentos para a maioria pobre das cidades. E que faria isso através de incentivo à prática de corrupção, à formulação de políticas públicas egoístas e uma economia equivocada, produtora de desigualdades e injustiça. Uma pesquisa da Universidade de São Paulo (USP), divulgada recentemente, revelou que, na capital paulistana, esta fórmula maligna está dando certo. Segundo o estudo, a infra-estrutura urbana é desigual para os mais pobres e, apesar de os índices de energia, água e esgoto, atingirem 90% da população, oferecem serviços de menor qualidade para os mais necessitados.

Segundo o diagnóstico relatado pela universidade, a infra-estrutura provida pelo Estado chega aos mais pobres na cidade (mais de 90% das casas têm redes de energia elétrica, água e iluminação pública, e cerca de 80% possuem rede de esgoto), mas o grande problema reside na desigualdade do fornecimento dessa infra-estrutura e na qualidade de vida dos 40% mais pobres da cidade. Estes dados são resultado da dissertação de mestrado da pesquisadora Renata Bichir, apresentada na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP. “Há maiores patamares de acesso do que se imaginava, porém há uma grande exposição à violência, ao desemprego e a outros riscos”, diz a pesquisadora. Quem sofre mais é “o chefe de família pobre, residente na periferia, nas “franjas do município”, com baixa renda (dentro do grupo dos mais pobres do município, o que agrava a situação) e chegada recente na cidade”. Nesse grupo, o acesso inadequado à infra-estrutura é de cerca de 70%.

A partir de uma pesquisa por amostragem realizada em 2004 pelo Centro de Estudos da Metrópole (CEM), Renata, pesquisadora da instituição, apresentou dissertação sobre a análise das conseqüências do fenômeno da segregação residencial na infra-estrutura urbana (fornecimento de energia elétrica, água, esgoto, iluminação pública, calçamento, transporte público, parques e áreas verdes, como praças e canteiros), a fim de provar o impacto da dimensão espacial no acesso a políticas públicas desse gênero.

Segundo ela, o estudo aponta diversas áreas invisíveis ao Estado no que se refere à implementação de políticas públicas de infra-estrutura urbana, especialmente em áreas de favelas e loteamentos irregulares, o que demonstra diversos níveis de atenção do Estado às regiões periféricas: “Uma conclusão relevante é a idéia de heterogeneidade do acesso [a dispositivos de infra-estrtura urbana] mesmo entre os mais pobres e no interior das áreas chamadas genericamente de periferias”.

Além da pesquisa da USP, fica a sugestão de leitura de “Cidade de Deus, Cidade de Satanás – uma Teologia Bíblica da Igreja nos Centros Urbanos”, livro de Robert C.Linthicum, Missão Editora, 1993, que acrescenta detalhes e profundidade à visão de um inimigo que produz o mal sistêmico e corporativo que afeta a Pólis para “roubar, matar e destruir”. Hoje, o autor desta obra é presidente de uma organização cristã (Partners in Urban Transformation) que se dedica ao trabalho de fortalecimento de ministérios urbanos e faz palestras sobre o desafio das cidades para igreja cristãs em seminários pelo mundo. Outros livros dele (títulos em inglês): “Empowering the Poor” e “Transforming Power - Biblical Strategies for Making a Difference in Your Community”, de 2003.

Atualizada: Quarta, 26 Novembro 2014 09:03

Pin It

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.