Uma Moda Evangélica para chamar de Sua

Mulher evangélica e a moda Mulher evangélica e a moda

Vestido azul - artigo sobre moda e religião“...e, percebendo que estavam nus, coseram folhas de figueiras e fizeram cintas para si. (...) Fez o Senhor Deus vestimentas de peles para Adão e sua mulher e os vestiu.” - Gn 3.7 e 21... Hoje falo de MODA. E é algo muito mais profundo que apenas vestidos, saias, blusas, sandálias e outros tipos de roupas e acessórios...

Moda é identidade, em âmbito íntimo e social. Ela é expressão, é impressão. É uma linguagem.


O médico inglês do começo do século 20 e historiador da moda Cecil Cunnington — aliás, um colecionador apaixonado pela História da Moda que trabalhou junto com a esposa Philis em tudo o que produziu — traça os quatro vetores da linguagem da moda: a forma, a cor, o tecido e a mobilidade.

Como musicista, lembro que alguns teóricos definem sucintamente a Música como: Tensão e Relaxamento. Tudo é o mesmo para mim: as matérias-primas dessas duas Artes-Linguagens podem ser bem diferentes, mas linguagem serve mesmo é para expressar. Sendo o código aquilo que se aprende. O que você faz é embebê-lo em seu imaginário e mudar o mundo com ele.

A Moda se impõe com um “código” e o resultado vai dizer ao mundo se você é Sujeito ou Paciente; protagonista ou figurante. Escolha.

Assinala a socióloga Gilda de Mello Souza, em O Espírito das Roupas: A Moda do século XIX e suas Significações Sociais (Companhia das Letras, 1987), uma tese dos anos 70 em que a autora aborda a Arte da Moda enquanto manifestação de Cultura e chama a nossa atenção para um grande marco do século XIX:

“A roupa não era mais um indicador de Classe Social; as coisas ficaram difíceis para quem queria ser reconhecido como nobreza ou elite, pois pessoas 'comuns' passaram a ter acesso a roupas bonitas, com cores, texturas, formas elegantes e refinadas. Distinguir-se ou impor-se só pela aparência ficou praticamente impossível”.

Claro que existe o mercado, um elemento "mau, feito pica-pau", com uma implacável massificação cultural que impõe ao indivíduo uma Estética de grupo, massacrando aquele elemento íntimo, da expressão, o imaginário individual e, para tanto usa de artifícios cruéis, explorando nossa sensualidade, sensação de aceitação e segurança, além de nossa vaidade social (desejo de distinção ou ambição). — “Ah! Ele consegue.” É prestar atenção: não se fala em conforto, ou afeto ao se analisar o mercado da Moda.

E nós? E nós?? Moda Evangélica???

Ok, fomos atacados! Nós evangélicos, capitulamos ao mercado. Agora, existe uma Moda Evangélica! Ela quer determinar quem você é só de olhar. Você não precisa imaginar, criar, se expressar, apenas se encaixar. Quem é você? Uma evangélica, claro!vestido roupa igreja

Essa moda é machista, quer dizer, beneficia os homens ao excluí-los. Então, tenho de fazer um paralelo com as culturas semitas, em especial a muçulmana e a judia ortodoxa, em que as regras, com forte influência da religião, são especialmente rígidas para o corpo feminino. Há mesmo um antagonismo em muitas culturas, entre vestimentas dos distintos gêneros.

Lembra da moda do século 19? Havia uma forma básica desejável para a vestimenta: “H, para a masculina e X, para a feminina”. E, adivinhe só qual é o formato mais encontrado nos catálogos da moda dita “evangélica”. Isso: X! Ele mesmo. Cinturinha, alguns babados, mas, basicamente o mesmo X do século 19.

— “Mas por que tanto pano?”, intrigo-me ao ver os grupos de dança das igrejas. Será elemento cênico ou moral?

Sim, há funcionalidade naqueles panos. Não defendo, em princípio, que a exposição do corpo feminino ou masculino deva ser regra ou tabu. Equilíbrio e bom senso, por favor! Insinuar é mais sensual que expor. A vulgaridade é constrangedora. Consideremos algo chamado fetiche: caraminholas complexas que estimulam a imaginação erótica de alguns.

Não pense que não há sensualidade nas tais roupas apropriadas às “irmãs”. Há. Isso sem citar que o corpo pode não ser favorecido pelo recorte da roupa (o X presume cintura, né!?). O que lembra aquela irmãzinha que, novos 20 quilos depois, continuava usando as mesmas roupas e, se adquiria alguma nova, era do tamanho antigo. Dá até hipóxia! E puxa daqui, puxa dali… vai vendo!

E você? Quanto pano usa? Alguma roupa em X? Compra naquele shopping dos crentes? Alguma burca? Se esconde ou se revela? Se exibe ou se insinua? Usa conforto e afeto, ou forma e cor? Adorno ou crachá?

* Else Vergara, educadora e musicista.

Atualizada: Sábado, 20 Março 2021 10:46

Se você gostou do que leu, queria sugerir três coisas:

1) Se quer que outros também sejam abençoados como você foi, compartilhe o link de acesso a este artigo nas suas redes de whatsapp, Facebook, Instagram etc... O link para que outros também leiam o que você leu e gostou está na barra de URL do seu navegador. Ou use um de nossos links de compartilhamento nesta página.

2) Se quiser acrescentar algo, elogiar, criticar ou tirar uma dúvida, deixe aqui no espaço para os comentários desta página mesmo. Ou entre em contato conosco.

3) Se quiser nos ajudar a continuar, uma das coisas que você pode fazer é visitar também um site de algum de nossos parceiros. Para isso, basta entrar lá através de nossas indicações nesta página, isto se você tiver algum interesse no que está sendo oferecido.

Seu apoio é de vital importância. E saiba que o que você fizer nos ajudará muito a manter esta obra funcionando.